O que a escola pode fazer para evitar o bullying?

Conteúdo

Mas como pais, coordenadores e direção de um colégio podem ficar atentos para evitar consequências do bullying? Entenda como o Colégio Planck vê a questão.

Dados de um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgados no segundo semestre de 2019, mostram que o bullying é uma prática infelizmente comum em muitas escolas brasileiras e também no Exterior.

Mas como pais, coordenadores, professores e direção de um colégio podem ficar atentos para evitar consequências sérias? Entenda como o Colégio Planck vê a questão do bullying e o que faz para evitar esse comportamento entre alunos.

Bullying: como matar o mal pela raiz?

Seja no Brasil ou em qualquer outro país do mundo, quando alguém expõe um jovem ou uma criança a uma situação desconfortável sistematicamente está praticando bullying, porque essa prática é definida como uma violência psicológica e social, realizada de forma frequente e repetitiva.

Esses comportamentos inadequados podem ser apresentados com ações diretas (físicas e verbais) ou indiretas (exclusão de um grupo, invenção de boatos ou discriminações por causas diversas). Em qualquer um dos casos, merece atenção no ambiente escolar, que precisa ser saudável.

No Colégio Planck, esse comportamento inadequado já é praticamente eliminado pela raiz quando os alunos passam pela aprendizagem socioemocional, que foca, entre outros valores, na prática do respeito, porque é no desrespeito que nasce o bullying.

Mas como pais, coordenadores e direção de um colégio podem ficar atentos para evitar consequências do bullying? Entenda como o Colégio Planck vê a questão.

Por isso, a proposta do Planck é ser sempre uma escola com número reduzido de alunos, para ter uma observação a cada um deles e às relações interpessoais que estão ocorrendo dentro do ambiente escolar.

No Planck, por exemplo, há a limitação, pelo menos 20% menor do número de alunos por sala do que nas outras escolas da região e se limita a ter 3 turmas de cada ano letivo, mesmo com mais de 90 famílias em fila de espera por uma vaga na 1ª série do Ensino Médio, por exemplo.

Quando uma escola é superlotada, a prática da atenção acaba sendo diluída, porque certas ações não adequadas podem ser desenvolvidos por personagens que estão longe dos olhos de quem precisa cuidar.

O Colégio nunca pode ser omisso, para não cair no erro de tornar um aluno invisível e permitir que uma bomba silenciosa comece a crescer dentro dele.

Todos os envolvidos no processo educacional precisam estar atentos a gestos, palavras e comportamentos. Essa prática da observação e do cuidado para não deixar a semente do bullying crescer em um ambiente precisa ser sempre muito bem avaliada. Além obviamente do trabalho proativo e intensivo de empatia desenvolvido nos primeiros meses de aula, desde a fundação do Colégio.

Mas como pais, coordenadores e direção de um colégio podem ficar atentos para evitar consequências do bullying? Entenda como o Colégio Planck vê a questão. Leia mais:

➡️ Competências e habilidades no Ensino Médio

➡️ É possível prova sem Fiscal?

Cuidado nas redes sociais

O bullying existe desde que o mundo é mundo, mas atualmente, os profissionais da Educação também devem ficar atentos à prática que chegou com a inovação tecnológica.

Como o crescimento vertiginoso do uso das redes sociais atingiu principalmente os jovens, muitos precisaram lidar também com a exposição nas redes sociais.

Quando alguém está praticamente com o mundo nas mãos ao usar um smartphone, pode entender que está protegido pela manifestação remota e, assim, usar do artifício para ofender ou magoar alguém virtualmente.

Muitas vezes um simples post em uma rede social de uma foto tirada em uma festa pode expor um jovem de uma maneira que ele não gostaria. No ato da postagem pode não ter havido uma intenção de bullying, mas a dor de quem se sentiu ofendido é legítima, especialmente quando o material começa a ser curtido e compartilhado.

Por isso, o Planck também mantém a cultura dos pais sempre presentes na Educação dos filhos, e os aciona quando percebe que algum jovem está demonstrando um comportamento mais retraído e depressivo, que pode ter sido fruto de uma brincadeira mal-interpretada ou de uma postagem em rede social. 

Então, há um diálogo com o jovem para entender qual é a causa daquele sentimento e tentar dissipá-lo. Posteriormente, o Colégio comunica os pais sobre a situação, para que os cuidados também possam ser manifestados além dos limites do ambiente escolar.

Mas como pais, coordenadores e direção de um colégio podem ficar atentos para evitar consequências do bullying? Entenda como o Colégio Planck vê a questão.

Será que tudo é bullying?

Evidentemente que toda violência física é bullying, mas será que toda brincadeira é bullying? Depende. 

Se um aluno, por exemplo, começa a ser chamado por um certo apelido entretanto ele gosta e se sente querido desta forma, não há prática do bullying. Porém, se ele se sente diminuído, humilhado ou incomodado de alguma maneira, aí sim, na insistência dos colegas em chamá-lo daquela maneira, poderá evoluir para um processo de bullying.

É uma linha muito fina e pessoal, que vai depender de quem faz, da forma que faz e como a ação é recebida. Por isso, é importante a atenção dos professores, coordenadores, direção e até outros colaboradores do Colégio.

De qualquer forma, um Colégio que não fica de olho no comportamento de todos os seus alunos pode ser um ambiente favorável para que alguém exploda, como tantos casos nacionais e internacionais que já foram amplamente divulgados pela mídia.

Mas como pais, coordenadores e direção de um colégio podem ficar atentos para evitar consequências do bullying? Entenda como o Colégio Planck vê a questão.

E o radicalismo?

Outro ponto importante também dentro do ambiente escolar é analisar a questão: será que é bullying ou um politicamente correto excessivo?

A defesa muito acirrada de certos pontos de vista também podem assumir uma postura radical, que leva a intolerâncias, polarização e, às vezes, até violências. 

É preciso avaliar se a defesa de certos temas politicamente corretos não estão entrando no vácuo do bullying de forma exagerada.

Em todos os casos, é preciso diálogo e respeito também aos pontos de vista, não para vencer debates, mas para levar à elucidação de certas questões. Muitas vezes, alguns posicionamentos muito apaixonados podem refletir desconhecimento sobre origem de um determinado fato, tema  ou hábito, que podem ser motivados por questões culturais, linguísticas ou apresentam outros aspectos que revelam diferenças de interpretação.

Mas como pais, coordenadores e direção de um colégio podem ficar atentos para evitar consequências do bullying? Entenda como o Colégio Planck vê a questão.

As visões da sociedade sobre certos assuntos em cada época são mutáveis e é preciso dar tempo ao tempo para que as posturas fiquem mais equilibradas diante do que é novo.  Um exemplo disso é que muitas condutas, comuns nas décadas de 1970, 1980 e até 1990, eram consideradas normais e hoje já são vistas como absolutamente inadequadas.

Mas quando as partes se ouvem, interessadas sinceramente em somar para um bem comum, muitos comportamentos defensivos radicais podem ser minimizados.

O fato é que o bullying é muito grave e deve ser combatido no ambiente escolar. As pessoas podem ter gostos, raças, religiões e opiniões diferentes, por isso, o compromisso do Planck é sempre ensinar seus alunos a respeitarem, dialogarem e terem empatia entre si e com a sociedade onde atuam.

Prof. André Guadalupe
Diretor e Cofundador do Colégio Planck

 

Compartilhe:

Leia também:

Dicas para exercitar a memória são muito importantes para ajudar os estudantes a guardar uma imensa quantidade de informações que são parte da grade curricular de cada fase. Veja nesse texto alguns truques que vão auxiliar a reter melhor os conteúdos recebidos. Como o cérebro e a memória funcionam? A Ciência já demonstrou que o desenvolvimento cerebral das crianças e adolescentes é realizado em etapas. Na primeira infância, está mais desenvolvido o sistema límbico, que é responsável pelas emoções e impulsos, e o hipocampo, que atua na memória, que é formada pelas conexões entre as células nervosas e os neurônios, e permite armazenar informações e recuperá-las sempre que necessário para todos os processos da vida. Só com o passar da idade é que o córtex pré-frontal vai se desenvolvendo e apresentando melhores condições para possibilitar o controle das emoções, organização, planejamento, pensamento crítico, atenção, etc. Esse desenvolvimento vai ocorrer até os 25 anos. Com aproximadamente 86 bilhões de estruturas que vão captar, repassar, guardar e resgatar, o cérebro funciona como um arquivo gigantesco de informações. No entanto, o cérebro também tem um importante recurso de economia de energia e potencialização do seu uso: ele desliga áreas que não estão sendo devidamente usadas. Por isso, quanto mais estímulo a pessoa dá a uma determinada área cerebral, mais ativa ela fica, isso inclui a memória. Portanto, conhecer algumas dicas para exercitar a memória é muito importante em todas as fases da vida, inclusive, na escolar, quando os estudantes estão mergulhados em conhecimentos das diversas disciplinas, e precisam entendê-los, retê-los e recuperá-los para as provas, simulados ou exames de vestibular. Tipos de memórias Além das informações retidas relativas à temporalidade (curto e longo prazo) e a memória sensorial, que está relacionada com associação aos estímulos recebidos pelos nossos 5 sentidos, que é citada na obra “Em Busca do Tempo Perdido”, de Marcel Proust, a memória também está dividida em tipos que vão captar determinadas nuances das informações, de forma a classificar e processar as informações: Memória episódica: de longa duração, é a lembrança de acontecimentos específicos, como a refeição do dia anterior ou a recordação de outros momentos vividos no passado. Memória semântica: é o armazenamento de informações relativas ao mundo, como o significado das palavras ou datas de acontecimentos. Memória processual: também é de longa duração da memória, são aqueles conteúdos que aprendemos e nunca esquecemos, como andar de bicicleta. As fases da memória A memória de uma pessoa começa a atuar já no despertar de seu relógio biológico, quando o cérebro envia substâncias, como a adrenalina, para que ela tenha mais foco e concentração em suas tarefas na fase beta (enquanto está acordada). Esse relógio biológico vai indicar que é hora de estudar, trabalhar, se alimentar ou praticar atividades físicas. Essa memória aciona todo um ciclo de funções corporais que vão ocorrer ao longo do dia até que chegue o período noturno. Neste momento, começa a diminuir a adrenalina e o cortisol no organismo, acionando outras substâncias, como a melatonina, que indicam que é a hora do corpo repousar. Dentro desse processo corporal, a memória também terá as suas fases: Memorização Nesta fase, é necessária atenção, um estado de alerta total, para que a pessoa consiga memorizar as informações. Compreensão O estado de atenção também vai favorecer que a pessoa faça conexões para proporcionar um melhor entendimento da informação recebida. Assim, será mais fácil memorizar. Armazenamento Quando a pessoa entende o significado daquela informação, o conteúdo será retido no cérebro. Recuperação O cérebro organiza as informações de acordo com sua hierarquização. São as lembranças, que podem vir à tona a partir de estímulos diversos, como um som, um cheiro ou outras dicas que podem dar pistas daquela informação. Conheça dicas para exercitar a memória É certo que o cérebro funciona como um poderoso computador que faz milhões de conexões e ajuda no funcionamento corporal. Porém, às vezes, parece que a memória dele falha, e nem todos os conteúdos são rememorados com facilidade. Onde foi parar todas aquelas informações das aulas de matemática e biologia do dia anterior? E quem eram mesmo aqueles personagens do livro que você leu e foi indicado para o vestibular? Essa “perda” das informações também é comum para o cérebro, por isso, as dicas para exercitar a memória são importantes para fazer uma “atualização” do nosso sistema interno. Para consolidar a memória é sempre necessário um treino do que foi aprendido, para que o conteúdo não caia na memória de curto prazo. Treinar o cérebro constantemente vai ajudar a evitar essas falhas em sua memória, é como se fosse uma espécie de ginástica cerebral. Conheça alguns truques para treinar a sua memória, alguns desses são dicas que estão no livro “Técnicas de Estudo para Adolescentes”, de Antonio Gonzáles (Editora Vozes): Ative sua memória Abra mão de certos facilitadores, como agendas de celular ou blocos de notas, e tente sempre memorizar números de telefone, senhas, listas, datas ou lembretes de eventos. Associe informações com imagens Muitos estudantes são mais visuais e precisam associar os conteúdos a imagens ou símbolos para facilitar a memorização. Faça cálculos mentais Ao longo do dia faça operações aritméticas simples, somando as placas dos veículos, números de telefones em placas ou os números dos prédios e casas onde passar. Dê atenção aos detalhes Quando damos atenção a um assunto atribuímos importância a ele. Então, foque no tema, capture os detalhes e assim a memorização será facilitada. Invista em jogos de memorização Fazer quebra-cabeças ou jogos de memória vão ajudar muito nessa ginástica cerebral. As pessoas também podem investir em palavras cruzadas, Sudoku, dominó ou até jogos de cartas. Além disso, jogar xadrez é um importante recurso para trabalhar o cérebro. Leia e repita as citações Outra dica para exercitar a memória é a leitura porque essa é uma atividade que vai ajudar a trabalhar diversas áreas cerebrais. Além disso, repetir as frases e citações de personagens históricos também é uma excelente forma de trabalhar a memória. Anote esses enunciados e trechos de obras e repita o quanto puder. Aliás, falar em voz alta para si mesmo vale para lembrar de qualquer coisa, até mesmo para lembrar onde colocou a chave de casa. Procure lembrar os detalhes do dia Quando for deitar, antes de dormir, faça uma revisão de tudo o que aconteceu no dia, tentando lembrar alguns detalhes desde o momento que acordou, como suas roupas, o que comeu, onde foi, quem encontrou ou algum outro aspecto interessante. Conclusão É importante lembrar que a emoção está ligada à formação de novas memórias, portanto, investir em processos lúdicos e divertidos, que acionam produção e interação de hormônios do bem-estar, que paralelamente intensificam a comunicação entre neurônios, também vai dar o devido estímulo cerebral aos adolescentes para consolidação da memória.

Dicas para exercitar a memória

Dicas para exercitar a memória são muito importantes para ajudar os estudantes a guardar uma imensa quantidade de informações que são parte da grade curricular

Translate »