Planck Home School

Conteúdo

Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.

Quando o anúncio da suspensão das aulas surgiu em março, o cenário que vivíamos era: um Colégio Planck que estava na oitava semana de aulas, se mudado recentemente para um prédio novo e com Ensino Fundamental Anos Finais e 1ª série do Ensino Médio totalmente novos.

Eram 400 estudantes estreantes do 6º ano à 1ª série do Médio e outros 200 antigos, que já conheciam a cultura do Planck. Isso significa que quase 70% dos alunos eram 100% novos no Colégio.

Já havia um desafio naquele momento, que era focar totalmente no nosso socioemocional e ajudar os estudantes novos na adaptação à nova rotina e à  metodologia do Colégio.

Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.

Com o isolamento social, quais foram os desafios iniciais?

Assim que a suspensão das aulas foi definida pelo Governo do Estado em 18 de março, o Colégio Planck teve apenas 4 dias para pensar rapidamente em soluções para manter as aulas, antes que a suspensão ocorresse de fato na data de 23 de março. 

Quais foram as soluções encontradas? Como aconteceu o processo de implementação do Planck Home School?

Apesar do grande desafio, o Colégio criou um programa para o Planck Home School para proporcionar aos estudantes a oportunidade de continuarem mantendo o conteúdo curricular e o calendário no isolamento social, tendo como aliada a tecnologia.

Todas as atividades pensadas foram totalmente focadas nos valores do Planck, que possibilitam uma educação de alto padrão, com metodologia inovadora e foco total no estudante.  

planck valores

 

Com a suspensão das aulas, o Colégio precisou promover também uma grande adaptação de estrutura, com equipamentos, telefones, internet e a questão da humanização de todo o processo.

A primeira iniciativa foi adotar um programa em fases para levar o home school para todos os estudantes. 

1ª Fase

Nas duas primeiras semanas de home school, foram disponibilizados roteiros de revisão das 8 primeiras semanas de aulas presenciais.

Os roteiros estavam bem orientados sobre como fazer e também usamos forms (questionários).

Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.

2ª Fase

Aulas gravadas assíncronas, com roteiros e orientação de estudo e como fazer. Durante as duas primeiras semanas do home school, os professores gravaram as aulas em casa. Esse material foi disponibilizado na terceira semana.

Nessa fase, eles tinham uma sugestão de horários para assistir às aulas.

Nesse momento também já tinha plantões de dúvidas ao vivo com os professores, com horários determinados.

Além disso, os estudantes também já tinham roteiros para desenvolver e roteiros de tarefas.

Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.

3ª Fase

A partir da terceira fase, os estudantes passaram a ter aulas on-line síncronas (ao vivo) no período da manhã, além dos plantões de dúvidas à tarde para esclarecer questões com os professores.

Além disso, também continuaram os roteiros e tarefas.

Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.

Rotina escolar

Os estudantes têm um carga horária de 20 horas semanais de plantões de dúvidas de todas as matérias, que possibilitam contato permanente com todos os professores; e a continuidade de 70% das aulas eletivas no período da tarde: Startup, Empreendedorismo, Mídias Sociais, Agência Júnior, Planck ONU, Robótica, Xadrez, Programação, Astronomia, Olimpíadas de Matemática, Física, Filosofia, História, Atualidades, além do Planck Internacional, com aulas de inglês, francês, espanhol.

Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.

No nosso school profile temos um olhar muito voltado para o ensino internacional. Portanto, o Planck Global Guidance também continua atuando com toda força, promovendo toda a rotina para os estudantes que querem estudar em outro país, inclusive, mantendo encontros virtuais com universidades do mundo inteiro.

Além disso, os alunos inscritos do PGG continuam seus estudos para o SAT e têm mantido semanalmente contato com diretores de aplicação de diferentes universidades do planeta.

Além das aulas, plantões de dúvidas e eletivas, a produção semanal de Redação também foi mantida, com a entrega virtual via Classroom.

Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.

Foi totalmente mantido o ritmo dos projetos curriculares, mas também foi mantido um ritmo muito intenso  e rico de atividades extracurriculares.

Além disso, em todas as fases,  sempre houve um roteiro detalhados da orientadora educacional e da coordenadora pedagógica sobre como estudar, manter os hábitos, ter rotina nos estudos, sugestões e outras dicas importantes. Sempre houve um apoio de orientação aos estudantes de como fazer.

Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.

Outro ponto fundamental foi o contato com 50 famílias por dia, de todas as séries para apoiar os estudantes para tirar dúvidas desde o primeiro dia do isolamento social.

No início foram dúvidas mais técnicas, depois passaram para um âmbito mais filosófico e de mais apoio psicológico e emocional, para auxiliar na saúde mental de todos.

Quais foram os resultados gerados?

O grande cuidado do Colégio com os estudantes e famílias nesse período gerou estudantes engajados e pais muito satisfeitos com todo o programa Planck Home School.

Com todo o programa criado, o Planck teve oportunidades de reforçar as habilidades socioemocionais dos estudantes, acionando, especialmente, o protagonismo de cada um. Junto com essa competência vieram outras como responsabilidade, autogestão, resiliência, criatividade e diversas outras no ensino remoto.

Só para se ter ideia de números desse engajamento os índices são altos tanto quando o aspecto é assistir às aulas, como na execução de tarefas e produção semanal:  

  • 96% de presença on-line nas aulas síncronas;
  • 94% de entrega de redações;
  • 93% de resoluções de forms (questionários) dentro do prazo;
  • 99% de presença nas avaliações on-line;
  • 85% de presença nas aulas de complementação de idiomas, eletivas tradicionais e de tecnologia, núcleo de artes e outras;
  • 48 atendimento realizados pela Orientação Educacional (92% ativo);
  • 187 depoimentos espontâneos de feedbacks positivos.

Depoimentos de pais e alunos

Todo esse processo movimentou muito as nossas redes sociais, pais passaram a enviar mensagens diversas contando sobre o que acharam do nosso Planck Home School e da postura dos filhos diante do novo quadro.

Mas não foram só os pais que foram ativos nessa comunicação. Os estudantes do Colégio Planck também dedicaram parte do seu tempo para contar o que estava acontecendo do lado de dentro de suas paredes. 

Alguns depoimentos recebidos:

“Agradecemos a toda equipe do Colégio Planck pelo carinho e dedicação nesse momento que estamos enfrentando. Com material de alta qualidade, materiais de apoio, plataforma SAS e principalmente o calor humano, que nunca faltou e com certeza nunca faltará. A dedicação da equipe pedagógica, as ligações carinhosas para saber como o aluno está, isso faz do Colégio Planck não apenas um Colégio de Alto Desempenho, mas principalmente um Colégio Humano, onde o aluno é visto como um ser individual, despertando a vontade de adquirir conhecimentos e manter uma rotina de estudos mesmo estando em ´home school´. Juntos somos mais fortes, acreditamos na parceria Planck.”

Valdir Cordeiro e Fabiana Cordeiro, pais do aluno Rafael Cordeiro, aluno do 8º Ano do Ensino Fundamental.

 

“Olá! Venho parabenizar os professores, diretores, coordenadores e outros envolvidos nessa fase de ensino a distância. Muito obrigada por todo o apoio que estamos recebendo, sei que não está fácil para ninguém! Mas o capricho de vocês está grande e isso é incrível. Vejo o carinho com a preparação das aulas e conteúdos disponibilizados online. Então, recebam meus parabéns que envio com tanto amor! Saudades das aulas presenciais… Logo mais nos vemos. Beijos!”

Laís Bonafé, estudante da 3ª Série do Ensino Médio

“Agradeço o carinho e a disponibilidade do Colégio Planck em atender os alunos com o cuidado necessário nesse processo de isolamento social. Fico muito satisfeita em saber que toda a equipe do Colégio Planck é preparada e bastante competente na educação de cada um de seus alunos. Eu e meu marido estamos tranquilos em relação ao direcionamento que o Colégio irá prover para o desenvolvimento social/ emocional e profissional da Letícia! Confiança é o que define a relação da nossa família e do Colégio Planck. Conte comigo!”

Dejenane Aparecida Pascoal Pereira, mãe da Letícia Pereira Malaman, aluna do 9º Ano do Ensino Fundamental.

“A Ana Clara, com hábitos mais vespertinos, está se dedicando e cumprindo o currículo. O simulado do Enem foi um desafio, mas estou muito satisfeita com a dedicação dela. O Antônio é diurno total, acorda cedo e dorme cedo. Rotina tranquila para ele, acompanhando as aulas e cumprindo o cronograma de exercícios! Obrigada Colégio Planck!”

Ana Lúcia Pereira, mãe dos estudantes, Ana Clara Pereira, aluna da 3ª Série do Ensino Médio e Antônio Pereira, aluno do 9º Ano do Ensino Fundamental.

“Como eu amo fazer parte da Família Planck! Acompanhando diariamente a rotina de estudos da minha filha Maria Eduarda do 7º Ano, e só tenho a agradecer tanta dedicação, cuidado e amor pela educação. Estou cada vez mais encantada com as aulas e com o Colégio… esse lado humanizado neste momento que estamos passando faz toda a diferença!”

Patrícia Nunes Souza, mãe da Maria Eduarda Souza Muotri, aluna do 7º Ano do Ensino Fundamental.

 

“Tenho orgulho de me pronunciar em estar estudando no Colégio Planck de São José dos Campos, porque desde o início desta trágica situação que todos nós estamos vivendo o Planck sempre esteve atuando em contramão desse empecilho, com vídeo aulas online presente no nosso material escolar(SAS) e vídeo aulas dos nossos próprios professores. Além disso, temos roteiros especiais toda semana das aulas, nas quais estão presentes em nossa grade e entregamos toda terça-feira uma redação que está sendo enviada pelo aplicativo do Google: o Classroom, sendo corrigidas por nossos corretores semanalmente. Portanto, tenho plena consciência de que iremos alcançar nos objetivos profissionais por essa ajuda essencial de nossa escola.”

Beatriz Valentim Costa, aluna da 3ª Série do Ensino Médio.

 

“Planejamento, organização, suporte, incentivo, apoio… Cada vez mais satisfeita em pertencer a Família Planck.”

Raquel Ott, mãe da Laura Ott e da Luiza Ott, alunas da 1ª e 3ª Série do Ensino Médio.

 

O que vai ficar no pós-pandemia?

Toda essa crise vivenciada pela pandemia criou muitas oportunidades de crescimento pessoal e profissional, tanto do lado das famílias, como do nosso lado de profissionais da Educação.

Muitas lições foram aprendidas com esse novo método de levar o ensino aos estudantes. Percebemos que a partir desse momento, que é único e sem precedente em todo o planeta, algumas iniciativas podem permanecer na Educação e na nossa gestão:

  • Ensino híbrido vai ganhar mais força. A ideia é ter o e-Planck também com colaboradores além das fronteiras da escola e com estudantes aprendendo também fora dos muros da escola ;
  • Tecnologia pode ter um olhar mais humanizado;
  • Escolas perceberam a necessidade de inovar mais e fazer o que for possível, sem medo de errar;
  • A Educação precisa buscar soluções inéditas;
  • Professores são a grande alma do ensino e são os grandes heróis desse momento. Foram realmente empoderados e perceberam que podem manter personalidade, conteúdo rico e relevância mesmo por meio das ferramentas digitais.

Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.Case Planck Home School, entenda o cenário, os desafios, as ideias, as fases e os resultados do ensino remoto do Colégio Planck.

Esses números de engajamento, depoimentos de pais, alunos e lições aprendidas refletem a clareza do propósito do Planck e do que buscamos em nossos estudantes: que eles sejam éticos, competentes, autônomos, relevantes e globais, ou seja, um cidadão consciente e que fará diferença no mundo

Essa característica do Colégio, que está tatuada na alma de todos os professores, Coordenação e Orientação, tem revelado todos os bons resultados que tivemos nesse período. 

 

Prof. André Guadalupe

Cofundador e Diretor do Colégio Planck

Compartilhe:

Leia também:

Nem todos os adolescentes têm facilidade de socialização. Especialmente quando há uma mudança de escola, os pais sempre se perguntam como ajudar os próprios filhos a interagir no novo ambiente. Se os seus filhos também são tímidos e manifestam um pouco mais de dificuldades em fazer novas amizades, continue lendo esse texto e veja aqui algumas dicas do Colégio Planck. Por que alguns adolescentes não conseguem interagir? Quando os estudantes passam por uma mudança de escola ou apenas são tímidos, eles podem demonstrar uma certa dificuldade de interação com os colegas. Esse comportamento pode ter muitas causas que podem ser desde um traço de personalidade, até o surgimento de complexos físicos, que são tradicionais na adolescência. Quando todas essas questões são somadas à passagem para o 6० ano, outras situações também podem angustiá-los e dificultar a interação, como a perda da professora única, alteração nos horários e no número de disciplinas, maior complexidade dos conteúdos, etc. Com isso, muitos pais se veem às voltas com uma nova questão: “Como ajudar meu filho a interagir?” Vale ressaltar aos pais que essa dificuldade de interagir é bastante normal na adolescência porque esse é um tempo de muitos novos desafios e descobertas, que podem gerar uma mudança de comportamento. Prova disso, é que essa é uma época em que muitos jovens começam a querer ficar mais reclusos, especialmente em casa, quando preferem ficar em seus quartos do que desfrutando da companhia dos pais ou de irmãos. Como ajudar os filhos a interagir? Se essa dificuldade de socialização dentro e fora de casa está gerando sofrimentos, é preciso buscar soluções para ajudá-los. Em primeiro lugar, os pais precisam ter um pouco mais de paciência, compreensão com o momento e até marcar uma reunião com a equipe pedagógica para buscar soluções, se for necessário. Seguem algumas dicas para ajudá-los neste processo: Converse muito com os filhos e dê suporte emocional Nesta fase, os estudantes estão precisando de muito carinho e atenção, portanto, manter um diálogo aberto vai ajudá-los a entender que não estão sozinhos nesta jornada. Muitas vezes, os estudantes passam por certas situações na escola que podem mexer com a autoestima, como a postagem de um foto em grupo que não saiu bem ou até mesmo um comentário sobre sua forma física. Situações assim podem levá-los a se isolar, portanto, seja proativo e pergunte sobre a rotina, se tem algo que os aflige, como eles acreditam que os pais podem ajudá-los e, se necessário, agende uma conversa no Colégio também. Além disso, crie espaços seguros para essas conversas, de modo que não pareçam cobranças. Os pais podem aproveitar para conversar com eles durante uma pequena caminhada, no carro na ida ou volta da escola, etc. Não perca a oportunidade de buscar a opinião deles sobre assuntos diversos, por exemplo, comentando sobre uma notícia, uma determinada moda ou gíria nova. O importante é não perder os vínculos que possam ajudar a iniciar e manter os diálogos. Evite ser muito protecionista Muitas vezes, um adolescente pode ter dificuldade em interagir devido à forma que foi criado. Muitos pais, por um excesso de protecionismo, podem impedir que os filhos frequentem outros ambientes, como festas de amigos, e isso pode estimulá-los a um comportamento antissocial. Uma dica para os pais é analisar se o próprio estilo de criação não está favorecendo que o filho busque o isolamento na adolescência. Procure proteger sempre, conhecendo as companhias e os espaços que o filho frequenta, mas abra um pouco mais a guarda, dando a eles a oportunidade de ter mais responsabilidade sobre si mesmos. Limite o tempo das atividades de lazer solitárias e estimule a interação Quando um adolescente é tímido ou não quer interagir no Colégio, pode querer fugir para passatempos solitários como os games ou outros eletrônicos. Os pais devem estipular um limite para essas atividades para não estimulá-los à solidão. Não é necessário proibi-las, mas sempre apresente boas razões para que o adolescente queira realizar também atividades em conjunto com outras pessoas e de forma presencial, com os colegas de sala de aula, para adquirir experiências na vida real. Abrir espaço para que ele convide amigos para estudar em casa e matriculá-lo em atividades coletivas também pode ajudá-lo na socialização. Analise de qual grupo ele pode fazer parte A falta de interação pode ser motivada porque os estudantes não se sentem à vontade em fazer parte de um certo grupo. Por exemplo, não adianta matriculá-los em eletivas de esportes coletivos, se eles gostam mesmo é de música ou artes. Procure entender o mundo e os gostos dos seus filhos, assim fica mais fácil incentivá-los na socialização. Procure ajudá-lo a se comunicar melhor Alguns adolescentes não interagem porque não conseguem se comunicar bem. Por isso, é preciso que os pais fiquem atentos às características dos filhos para ajudá-los a superar suas fragilidades desde cedo. Ainda criança, é possível ensiná-los como iniciar uma conversa, um pequeno diálogo que ajude a quebrar o gelo com os futuros amigos. Mas lembre-se que orientar é sempre melhor que ordenar. Tenha tranquilidade ao passar essas dicas. Quando entram na adolescência, uma alternativa é matriculá-los em cursos que favoreçam a comunicação, como teatro, por exemplo. Colégio Planck e a socialização Um dos pilares do Colégio Planck é o desenvolvimento de habilidades socioemocionais. Para isso, a instituição investe em várias atividades pedagógicas e extracurriculares que estimulam o convívio. Um desses projetos pedagógicos especiais que incentivam a interação é o Clube de Debates, que ajuda o estudante a falar fluentemente e com confiança. Nessas atividades, eles vão interagir uns com os outros e aprender a comunicar-se, ter empatia, ouvir e reconhecer outros pontos de vista, lidar com situações desconfortáveis, etc. Além de alcançar uma melhor comunicação, no exercício constante dessas habilidades socioemocionais no Colégio, os adolescentes vão aprender a desenvolver também inteligência emocional. Caso os pais percebam que os filhos estão tendo dificuldades de interagir com os colegas, o Colégio Planck está de braços abertos para acolher suas dificuldades por meio da Orientação Educacional. Com o time da Orientação Educacional, as famílias podem estabelecer um diálogo aberto e de confiança para proporcionar o melhor ambiente para o estudante. O objetivo é que todos descubram suas potencialidades e superem suas fragilidades, para ficarem aptos ao convívio social na vida pessoal e nos ambientes acadêmicos e profissionais.

Como ajudar meu filho a interagir?

Você já se perguntou: “Como ajudar meu filho a interagir?” Nem todos os adolescentes têm facilidade de socialização. Especialmente quando há uma mudança de escola,

Translate »