Qual o limite entre acolhimento emocional e responsabilização?

Conteúdo

É importante que pais e mães sejam sensíveis às emoções de seus filhos e ofereçam um ambiente seguro e acolhedor para que ele consiga expressar seus sentimentos sem medo de ser julgado e rejeitado

Acolher emocionalmente uma criança ou adolescente, tanto como filho quanto como estudante, e responsabilizá-lo por suas atitudes, são duas posturas diferentes, mas ambas são importantes em sua educação e formação. 

Acolher emocionalmente significa estar presente, ouvir, validar sentimentos e oferecer apoio emocional quando a criança ou o jovem precisam. 

É importante que os pais sejam sensíveis às emoções de seus filhos e ofereçam um ambiente seguro e acolhedor para que ele consiga expressar seus sentimentos sem medo de ser julgado e rejeitado.

Por outro lado, responsabilizar um filho por suas atitudes significa ensiná-lo a se comprometer por suas ações. É importante que os pais o ajudem a entender que suas escolhas têm consequências e que ele deve ser responsável pelo que faz. 

Isso inclui ensinar valores e limites, assim como estabelecer consequências apropriadas para os comportamentos inadequados.

Acolher e responsabilizar não são mutuamente exclusivos, mas é importante saber equilibrar essas iniciativas. Os pais podem acolher emocionalmente seus filhos ao mesmo tempo que os responsabilizam por suas ações. 

Como os pais devem fazer?

As crianças, pré-adolescentes e adolescentes precisam se sentir seguros e amados para se desenvolverem emocionalmente de maneira saudável, mas é importante que os pais expliquem as consequências de suas escolhas e ações, e os ajudem a aprender com seus erros, ao mesmo tempo em que oferecem apoio emocional e encorajamento. 

Muitas vezes, os filhos estão buscando esse apoio emocional, mas sentem que os pais não estão disponíveis para fornecê-lo, então, buscam esse acolhimento fora do lar, por exemplo, na internet, e podem se deparar com instruções perigosas, que os incentivam a praticar ações imprudentes.

Nesta fase, há uma grande transformação na mente e no corpo dos jovens, eles querem respostas para suas dúvidas, assim, procurar informações sobre dietas, exercícios físicos e prevenção de doenças é mais comum do que se imagina. 

Segundo a pesquisa TC Kids Online Brasil, 32% das crianças e adolescentes procuram ajuda na internet para entender mais sobre as suas emoções, sentimentos e saúde e, ao invés de pedir aos pais, porque sentem que não serão julgados ao expor as suas dificuldades.

A TC Kids é uma iniciativa que tem como objetivo entender as consequências do uso da internet pelas crianças e jovens brasileiros.

Nesta etapa de formação da personalidade, é fundamental que os pais estejam próximos e atentos, para encontrarem um equilíbrio que demonstre aos filhos que sim, eles estão amparados emocionalmente, ao mesmo tempo em que aprendem a perceber que suas ações têm consequências positivas ou negativas.

Terceirizar essa função, dando espaço apenas à internet, vai torná-los adultos despreparados para a vida. Então, para estimular essa responsabilidade e deixar claro que os filhos estão acolhidos, os pais podem tomar algumas iniciativas, como:

  • Definir suas expectativas;
  • Ser consistente em suas instruções aos filhos;
  • Liderar pelo exemplo;
  • Falar sobre responsabilidades;
  • Respeitar o espaço e a individualidade da criança e do jovem;
  • Confiar tarefas e ficar perto para ensinar;
  • Permitir escolhas;
  • Ajudar o filho a definir metas;
  • Corrigir os erros do filho e ensiná-los a também aprender com os erros;
  • Observar, aconselhar e acolher.

Qual é o papel dos pais, segundo o ECA?

​Em termos de leis (ECA Lei nº 8.069,), os pais têm a obrigação legal de acolher e cuidar de seus filhos, incluindo fornecer moradia, alimentação, roupas, assistência médica e educação adequadas. 

O papel dos pais não se limita apenas em prover necessidades básicas. Eles também são responsáveis por orientar e apoiar o desenvolvimento emocional, social e intelectual de seus filhos. O que estão inclusos também amor, apoio emocional, educação, limites e orientação moral.

A responsabilidade legal dos pais pelos filhos continua até que eles atinjam a maioridade ou se tornem independentes financeiramente. Além disso, em alguns casos, os pais podem continuar a ter obrigações financeiras com relação à educação superior e outras necessidades especiais de seus filhos.

Cada família é única e enfrenta desafios e circunstâncias diferentes. No entanto, independentemente das diferenças, a maioria dos pais deseja o melhor para seus filhos e faz o possível para apoiá-los em seu crescimento e desenvolvimento.

Colégio é parceiro no processo de acolher e responsabilizar

Assim como na relação entre pais e filhos, no colégio também é importante haver um equilíbrio entre acolher emocionalmente os estudantes e responsabilizá-los por suas atitudes.

Acolher emocionalmente os estudantes significa oferecer um ambiente seguro e acolhedor, onde eles se sintam respeitados e valorizados como indivíduos. Isso inclui estar disponível para ouvir seus problemas e preocupações, oferecer apoio emocional e incentivar a expressão de seus sentimentos.

No Colégio, o acolhimento ocorre por meio do trabalho da Orientação Educacional, que tem como foco  um olhar atento às necessidades dos estudantes, estando sempre de portas abertas para ouvi-los, seja nas suas dificuldades ou nos erros que cometem ao longo do caminho.

Por isso, a Matriz Socioemocional do Planck também norteia esse trabalho com muito afeto, ensinando e cobrando a responsabilidade dos estudantes pelas suas ações dentro do Colégio.

Assim, nas aulas de socioemocional colocam de maneira prática, didática e com metodologia, o passo a passo que visa a construção da responsabilização dos estudantes. Neste programa, eles desenvolvem autoconsciência, autocontrole, consciência social, habilidades interpessoais e tomada de decisão responsável para que os jovens consigam descobrir quem são e o que querem ser.

Isso significa que nas mais diversas atividades pedagógicas, os estudantes são preparados para ter mais autonomia, responsabilidade, regras sociais, pensamento crítico, gestão emocional e outras habilidades socioemocionais.

Assim aprendem que as suas atitudes, podem afetar a si mesmos ou aos outros positivamente ou negativamente. Isso pode incluir estabelecer limites claros de comportamento, fornecer feedback construtivo sobre suas ações e, quando necessário, aplicar consequências apropriadas.

Aqui no Colégio Planck nossos professores e profissionais de educação procuram sempre encontrar um equilíbrio entre acolher emocionalmente os estudantes e responsabilizá-los por suas atitudes, adaptando sua abordagem às necessidades individuais de cada um.

 

Assim é como o Colégio Planck faz

O time Planck procura sempre encontrar um equilíbrio entre acolher emocionalmente os estudantes e responsabilizá-los por suas atitudes, adaptando sua abordagem às necessidades individuais de cada um.

Ajudamos os estudantes a desenvolverem o gosto pelo estudo e pelo autoconhecimento com foco em dois pilares: alto desempenho e desenvolvimento de habilidades socioemocionais, permitindo criar uma base importante para que tenham sucesso dos seus projetos durante toda a vida.

Conheça mais o Colégio Planck.

Compartilhe:

Compartilhe:

Leia também:

O Ensino Fundamental 2 é um período de aprendizagem importante para as crianças e pré-adolescentes, pois marca sua passagem para um mundo com mais responsabilidades e deveres, que caminha junto a mudanças físicas e neurológicas. No ambiente escolar, os estudantes deparam-se com novos desafios, mas também com novas oportunidades e paixões. É neste momento que suas vozes despertam e começam a descobrir-se como pessoas.

Ensino fundamental 2: o que esperar?

O Ensino Fundamental 2 é um período de aprendizagem importante para as crianças e pré-adolescentes, pois marca sua passagem para um mundo com mais responsabilidades

Translate »