MOBFOG: Colégio Planck lança foguetes para competição no DCTA

Conteúdo

No último sábado (13), nossos estudantes do Ensino Fundamental – Anos Finais e do Ensino Médio se reuniram junto com suas famílias no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) para realizar os lançamentos de foguetes para a Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG). Sendo uma olimpíada inteiramente experimental, os estudantes se prepararam desde março para lançar obliquamente foguetes feitos de garrafa pet, visando atingir a maior distância longitudinal com o projétil.

Família Planck no DCTA para lançamento de foguetes.

Etapas de Preparação

Orientados pelo Coordenador do Programa Planck de Preparação Olímpica, Prof. Alexandre Suzuki, e pelo  Professor do Laboratório de Soluções Maker, Paulo Pereira, os foguetes e as bases de lançamentos foram construídos pelos estudantes em equipes de três integrantes seguindo a programação:

18/03 – Construção dos Foguetes;

25/03 – Construção das Bases;

01/04 – Finalização das Bases;

15/04 – Ajustes e Teste de Pressão;

29/04 – Ajustes e Pré-Lançamento na Alameda Planck;

06/05 – Pré-Lançamento no DCTA;

13/05 – Lançamento Oficial no DCTA.

Prof. Paulo Pereira, que acompanhou todo o processo de construção dos foguetes e de suas bases, comentou sobre o cronograma definido para o desenvolvimento do projeto: “A oficina contou com um dia para a construção dos foguetes, dois dias para a construção da base e outros momentos de testes de pressão e ajustes. Os processos de construção e testes foram acompanhados pelos professores, sempre buscando orientar os estudantes sobre segurança e o uso de ferramentas e materiais.”.

Estudantes no Laboratório de Soluções Maker.

Toda estruturação do projeto foi realizada aos sábados no Laboratório de Soluções Maker, contando com dois pré-lançamentos: o primeiro na Alameda Planck, e o segundo no próprio DCTA, realizado no dia 6 de maio, uma semana antes do lançamento oficial. Todos os testes foram de extrema importância para que as equipes pudessem corrigir possíveis falhas.

Lançamento oficial

Após se encontrarem no Memorial Aeroespacial Brasileiro (MAB) localizado dentro do DCTA, o qual preserva a memória da indústria aeroespacial no Brasil, todas as equipes e familiares se reuniram para o lançamento na área reservada. Perguntado sobre a Olimpíada, Prof. Alexandre, compartilhou: “O viés ideológico da Olimpíada em questão é sensacional! Ela sai completamente da monotonicidade do papel e caneta e desafia os estudantes a colocarem a mão na massa para competirem e fabricarem o projeto final.”.

Participamos da competição em duas categorias: Níveis 3 e 4. O Nível 3, referente às equipes do Ensino Fundamental, contava com uso de água e ar como combustível para os projéteis. A partir da compressão do ar com uma bomba manual para encher pneus de bicicletas cria-se uma pressão que impulsiona o foguete, fazendo-o alcançar longas distâncias. O Nível 4, referente às equipes do Ensino Médio, utilizou propelente de vinagre e bicarbonato de sódio, dependendo da reação química para fazer o foguete voar.

Área de Lançamento do foguete.

O grupo do Ensino Médio formado por Mauro Filho, Júlia Ikedo e Lucas Morita, experientes na competição, compartilharam as diferenças entre os níveis de lançamento do ponto de vista dos participantes: “Com a pressão d’água é muito mais simples e tranquilo, devido ao tempo de lançamento ser mais controlado. Já com o vinagre dependemos da reação química que acontece rapidamente, o que gera um nervosismo na hora de lançar o foguete”, contou Mauro. Para Valéria Scocca, Breno Vidal e Maiara Oliveira, essa foi a estreia na competição, a equipe também realizou o lançamento de Nível 4 e se surpreendeu com o resultado, “nos adaptamos a forma de realizar o lançamento, pegando a prática de como conseguir um melhor desempenho”, disse Valéria. Os testes foram essenciais, como explica Breno: “Também desenvolvemos algumas técnicas para evitar erros que dificultariam o voo do foguete.”. “Semana passada realizamos os testes e obtivemos a marca de 104m metros, o que já nos deixou bem felizes, e hoje nosso foguete alcançou 124,6m!”, acrescentou Maiara.

Alcançando o melhor resultado do dia no Nível 3, Vicente Dávalos, Gustavo Hassmann e Eric Guimarães comemoram o sucesso do lançamento que atingiu 164,4m de distância. “Estamos a bastante tempo treinando e batemos nosso próprio recorde, de 125m em 2022, e nos esforçamos bastante para conseguir esse novo recorde”, celebra Vicente junto com seus companheiros de equipe, que também ficaram surpresos com a distância alcançada pelo foguete.

Gustavo Hassmann, Eric Guimarães e Vicente Dávalos.

Preparação Olímpica e seus benefícios

A Olimpíada MOBFOG, bem como as demais que nossos estudantes participam, é uma oportunidade de crescimento acadêmico e pessoal para seus participantes. Aprofundar-se em assuntos cotidianos, trabalhar em grupo de maneira prática e desenvolver autonomia nos estudos são os pontos fortes dos estudantes que fazem parte do Programa Planck de Preparação Olímpica (P3O). Os resultados finais da competição ainda serão divulgados, mas já podemos afirmar que esse projeto, o qual contou com participação da Família Planck, foi um momento agradável de aprendizado capaz de  incentivar o interesse e a curiosidade pela aeronáutica e pela ciência!

Compartilhe:

Compartilhe:

Leia também:

O Ensino Fundamental 2 é um período de aprendizagem importante para as crianças e pré-adolescentes, pois marca sua passagem para um mundo com mais responsabilidades e deveres, que caminha junto a mudanças físicas e neurológicas. No ambiente escolar, os estudantes deparam-se com novos desafios, mas também com novas oportunidades e paixões. É neste momento que suas vozes despertam e começam a descobrir-se como pessoas.

Ensino fundamental 2: o que esperar?

O Ensino Fundamental 2 é um período de aprendizagem importante para as crianças e pré-adolescentes, pois marca sua passagem para um mundo com mais responsabilidades

Translate »