Meu filho quer estudar no exterior, por onde começo?

Conteúdo

Até o início da pandemia, só crescia o número de brasileiros que estavam indo estudar no exterior. Com a crise sanitária, muitos estudantes ficaram impossibilitados de realizar esse sonho. Mas, agora, com uma certa normalização nas atividades, os estudantes voltam a planejar morar e se graduar fora do país. Se o seu filho também quer estudar no exterior veja neste texto por onde começar. Já é hora de voltar ao sonho de estudar no exterior? Só em 2018, mais de 50 mil estudantes universitários começaram a estudar fora do país, especialmente em destinos como Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e Portugal. Com a crise sanitária, as fronteiras foram fechadas e essa possibilidade se transformou em um sonho mais distante. Muitas universidades fecharam seus câmpus e ficaram só no ensino remoto. Mesmo assim, as universidades internacionais não deixaram de buscar estudantes em outros países, o que é muito bom porque apostar no estudo universitário em outro país é uma oportunidade muito grande de crescimento pessoal, com chances de desenvolvimento de muitas habilidades socioemocionais como inteligência emocional, liderança, resiliência e autoconhecimento. Esse é um sonho de muitos estudantes que querem ampliar seus horizontes, sua cultura e conhecer novas pessoas. Mas quais são os passos para conquistar esse objetivo? Em muitos casos, quando esse desejo nasce, alguns estudantes já podem ter vivenciado uma experiência internacional mais curta, como um período de intercâmbio no high school, ou até mesmo um summer em alguma universidade, no qual pode sentir um pouco da cultura do lugar durante as férias escolares no Brasil. Portanto, para quem quer estudar fora, especialmente, cursar uma faculdade em outro país, o primeiro movimento é aumentar a sua proficiência na língua do país desejado. Outro ponto importante para o estudante que quer morar fora é providenciar documentos, como passaporte e outros exigidos nas instituições universitárias, e também obter o visto. No entanto, há uma série de iniciativas que também precisam ser tomadas para começar a se preparar. Por onde começar a se preparar para estudar fora do país? Se preparar para estudar fora vai exigir uma dose extra de energia, porque, além de cumprir os requisitos para finalizar o ensino médio e se preparar para os vestibulares do país, caso o estudante queira prestar aqui, também serão necessárias algumas atividades paralelas. Veja quais iniciativas precisa tomar: 1 - Defina o seu destino Ao definir o destino, o estudante já pode providenciar as aulas de proficiência na língua para o país para onde deseja ir. Essa iniciativa é bastante importante porque o estudante vai precisar estar afiado para o exame de qualificação da língua. Além disso, também já começa a pensar no lugar onde realmente gostaria de viver durante alguns anos ou para o resto da vida. 2 - Entenda o seu perfil Qual é o seu perfil pessoal e acadêmico? É um estudante mais técnico? Tende mais à socialização? Gosta mais da área de pesquisa ou de atividades mais práticas? Como são as suas notas? Vai precisar de bolsa de estudo? Faça uma autoavaliação bastante sincera sobre o seu histórico e isso vai ajudar a alinhar melhor a expectativa com a realidade. Para isso, também peça opinião dos professores, pais e outras pessoas que convivem com você. 3 - Pesquise as universidades É necessário começar a pesquisar os requisitos necessários de cada universidade pretendida. Isso também é importante para entender se a instituição está alinhada ao seu perfil. 4 - Comece a participar de atividades extracurriculares Nas applications das universidades internacionais, os estudantes precisam mostrar, além das notas e atividades acadêmicas, onde mais se envolvem. Podem ser experiências profissionais, trabalhos de voluntariado, participação em olimpíadas de conhecimento ou outros tipos de premiações. 5 - Pesquise e realize os exames necessários Enquanto no Brasil há os vestibulares para selecionar os candidatos, em alguns países existem outros tipos de exames seletivos, que são um pouco diferentes. O SAT (Scholastic Aptitude Test) ou o ACT (American College Testing), por exemplo, podem ser considerados versões do ENEM nos Estados Unidos. O candidato deverá pesquisar quais são os exames necessários no país onde quer estudar e ficar preparado para a realização deles. 6 - Solicite cartas de recomendação Algumas universidades exigem cartas de recomendação junto com a documentação do estudante. São depoimentos para atestar as competências dos candidatos, que podem ser escritas por professores ou por pessoas com quem já trabalhou. Interessante é não deixar para pedir essas cartas na última hora. Conheça o Núcleo Internacional do Planck No Núcleo Internacional do Colégio Planck existem recursos para preparar os estudantes de forma acadêmica, cultural e linguisticamente para morar fora. Com as disciplinas de idiomas, o Núcleo promove um nivelamento linguístico de inglês, francês, espanhol, alemão e libras. Além disso, o Colégio Planck também é centro preparatório para os exames de certificação em inglês de Cambridge. Além disso, para aqueles que realmente decidem estudar em uma universidade internacional, existe o Planck Global Guidance (PGG). PGG: um programa como nunca se viu em um Colégio Esse é um programa muito especial que possibilita a imersão em summers em universidades internacionais e também promove preparo bastante intenso para application em uma universidade no exterior. No início do ensino médio, as famílias e estudantes interessados já são apresentados ao programa, que traz todos os próximos passos que precisam ser trilhados para o estudo no exterior. Os estudantes e seus responsáveis são orientados pelos profissionais qualificados do time Planck, incluindo uma college counselor, que é profundamente conhecedora dos processos seletivos e perfis de universidades em todo o mundo. Essa equipe do Planck vai ajudar o estudante em suas pesquisas sobre as universidades, vai orientá-lo nas inscrições, preenchimento de formulários, realização de exames, cartas de recomendação e entrevistas com as universidades. Se você quer estudar fora do país, ao fazer parte do PGG, terá todo o respaldo da equipe do Colégio Planck para ajudá-lo a realizar esse sonho.

Até o início da pandemia, só crescia o número de brasileiros que estavam indo estudar no exterior. Com a crise sanitária, muitos estudantes ficaram impossibilitados de realizar esse sonho. Mas, agora, com uma certa normalização nas atividades, os estudantes voltam a planejar morar e se graduar fora do país.

Se o seu filho também quer estudar no exterior veja neste texto por onde começar.

Já é hora de voltar ao sonho de estudar no exterior?

Só em 2018, mais de 50 mil estudantes universitários começaram a estudar fora do país, especialmente em destinos como Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e Portugal. Com a crise sanitária, as fronteiras foram fechadas e essa possibilidade se transformou em um sonho mais distante. Muitas universidades fecharam seus câmpus e ficaram só no ensino remoto.

Mesmo assim, as universidades internacionais não deixaram de buscar estudantes em outros países, o que é muito bom porque apostar no estudo universitário em outro país é uma oportunidade muito grande de crescimento pessoal, com chances de desenvolvimento de muitas habilidades socioemocionais como inteligência emocional, liderança, resiliência e autoconhecimento. 

Esse é um sonho de muitos estudantes que querem ampliar seus horizontes, sua cultura e conhecer novas pessoas. Mas quais são os passos para conquistar esse objetivo?

Até o início da pandemia, só crescia o número de brasileiros que estavam indo estudar no exterior. Com a crise sanitária, muitos estudantes ficaram impossibilitados de realizar esse sonho. Mas, agora, com uma certa normalização nas atividades, os estudantes voltam a planejar morar e se graduar fora do país. Se o seu filho também quer estudar no exterior veja neste texto por onde começar. Já é hora de voltar ao sonho de estudar no exterior? Só em 2018, mais de 50 mil estudantes universitários começaram a estudar fora do país, especialmente em destinos como Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e Portugal. Com a crise sanitária, as fronteiras foram fechadas e essa possibilidade se transformou em um sonho mais distante. Muitas universidades fecharam seus câmpus e ficaram só no ensino remoto. Mesmo assim, as universidades internacionais não deixaram de buscar estudantes em outros países, o que é muito bom porque apostar no estudo universitário em outro país é uma oportunidade muito grande de crescimento pessoal, com chances de desenvolvimento de muitas habilidades socioemocionais como inteligência emocional, liderança, resiliência e autoconhecimento. Esse é um sonho de muitos estudantes que querem ampliar seus horizontes, sua cultura e conhecer novas pessoas. Mas quais são os passos para conquistar esse objetivo? Em muitos casos, quando esse desejo nasce, alguns estudantes já podem ter vivenciado uma experiência internacional mais curta, como um período de intercâmbio no high school, ou até mesmo um summer em alguma universidade, no qual pode sentir um pouco da cultura do lugar durante as férias escolares no Brasil. Portanto, para quem quer estudar fora, especialmente, cursar uma faculdade em outro país, o primeiro movimento é aumentar a sua proficiência na língua do país desejado. Outro ponto importante para o estudante que quer morar fora é providenciar documentos, como passaporte e outros exigidos nas instituições universitárias, e também obter o visto. No entanto, há uma série de iniciativas que também precisam ser tomadas para começar a se preparar. Por onde começar a se preparar para estudar fora do país? Se preparar para estudar fora vai exigir uma dose extra de energia, porque, além de cumprir os requisitos para finalizar o ensino médio e se preparar para os vestibulares do país, caso o estudante queira prestar aqui, também serão necessárias algumas atividades paralelas. Veja quais iniciativas precisa tomar: 1 - Defina o seu destino Ao definir o destino, o estudante já pode providenciar as aulas de proficiência na língua para o país para onde deseja ir. Essa iniciativa é bastante importante porque o estudante vai precisar estar afiado para o exame de qualificação da língua. Além disso, também já começa a pensar no lugar onde realmente gostaria de viver durante alguns anos ou para o resto da vida. 2 - Entenda o seu perfil Qual é o seu perfil pessoal e acadêmico? É um estudante mais técnico? Tende mais à socialização? Gosta mais da área de pesquisa ou de atividades mais práticas? Como são as suas notas? Vai precisar de bolsa de estudo? Faça uma autoavaliação bastante sincera sobre o seu histórico e isso vai ajudar a alinhar melhor a expectativa com a realidade. Para isso, também peça opinião dos professores, pais e outras pessoas que convivem com você. 3 - Pesquise as universidades É necessário começar a pesquisar os requisitos necessários de cada universidade pretendida. Isso também é importante para entender se a instituição está alinhada ao seu perfil. 4 - Comece a participar de atividades extracurriculares Nas applications das universidades internacionais, os estudantes precisam mostrar, além das notas e atividades acadêmicas, onde mais se envolvem. Podem ser experiências profissionais, trabalhos de voluntariado, participação em olimpíadas de conhecimento ou outros tipos de premiações. 5 - Pesquise e realize os exames necessários Enquanto no Brasil há os vestibulares para selecionar os candidatos, em alguns países existem outros tipos de exames seletivos, que são um pouco diferentes. O SAT (Scholastic Aptitude Test) ou o ACT (American College Testing), por exemplo, podem ser considerados versões do ENEM nos Estados Unidos. O candidato deverá pesquisar quais são os exames necessários no país onde quer estudar e ficar preparado para a realização deles. 6 - Solicite cartas de recomendação Algumas universidades exigem cartas de recomendação junto com a documentação do estudante. São depoimentos para atestar as competências dos candidatos, que podem ser escritas por professores ou por pessoas com quem já trabalhou. Interessante é não deixar para pedir essas cartas na última hora. Conheça o Núcleo Internacional do Planck No Núcleo Internacional do Colégio Planck existem recursos para preparar os estudantes de forma acadêmica, cultural e linguisticamente para morar fora. Com as disciplinas de idiomas, o Núcleo promove um nivelamento linguístico de inglês, francês, espanhol, alemão e libras. Além disso, o Colégio Planck também é centro preparatório para os exames de certificação em inglês de Cambridge. Além disso, para aqueles que realmente decidem estudar em uma universidade internacional, existe o Planck Global Guidance (PGG). PGG: um programa como nunca se viu em um Colégio Esse é um programa muito especial que possibilita a imersão em summers em universidades internacionais e também promove preparo bastante intenso para application em uma universidade no exterior. No início do ensino médio, as famílias e estudantes interessados já são apresentados ao programa, que traz todos os próximos passos que precisam ser trilhados para o estudo no exterior. Os estudantes e seus responsáveis são orientados pelos profissionais qualificados do time Planck, incluindo uma college counselor, que é profundamente conhecedora dos processos seletivos e perfis de universidades em todo o mundo. Essa equipe do Planck vai ajudar o estudante em suas pesquisas sobre as universidades, vai orientá-lo nas inscrições, preenchimento de formulários, realização de exames, cartas de recomendação e entrevistas com as universidades. Se você quer estudar fora do país, ao fazer parte do PGG, terá todo o respaldo da equipe do Colégio Planck para ajudá-lo a realizar esse sonho.

Em muitos casos, quando esse desejo nasce, alguns estudantes já podem ter vivenciado uma experiência internacional mais curta, como um período de intercâmbio no high school, ou até mesmo um summer em alguma universidade, no qual pode sentir um pouco da cultura do lugar durante as férias escolares no Brasil.

Portanto, para quem quer estudar fora, especialmente, cursar uma faculdade em outro país, o primeiro movimento é aumentar a sua proficiência na língua do país desejado.

Outro ponto importante para o estudante que quer morar fora é providenciar documentos, como passaporte e outros exigidos nas instituições universitárias, e também obter o visto.

No entanto, há uma série de iniciativas que também precisam ser tomadas para começar a se preparar.

Leia mais:

Por onde começar a se preparar para estudar fora do país?

Se preparar para estudar no exterior vai exigir uma dose extra de energia, porque, além de cumprir os requisitos para finalizar o ensino médio e se preparar para os vestibulares do país, caso o estudante queira prestar aqui, também serão necessárias algumas atividades paralelas. Veja quais iniciativas precisa tomar:

1 – Defina o seu destino

Ao definir o destino, o estudante já pode providenciar as aulas de proficiência na língua para o país para onde deseja ir. Essa iniciativa é bastante importante porque o estudante vai precisar estar afiado para o exame de qualificação da língua. Além disso, também já começa a pensar no lugar onde realmente gostaria de viver durante alguns anos ou para o resto da vida.

Até o início da pandemia, só crescia o número de brasileiros que estavam indo estudar no exterior. Com a crise sanitária, muitos estudantes ficaram impossibilitados de realizar esse sonho. Mas, agora, com uma certa normalização nas atividades, os estudantes voltam a planejar morar e se graduar fora do país. Se o seu filho também quer estudar no exterior veja neste texto por onde começar. Já é hora de voltar ao sonho de estudar no exterior? Só em 2018, mais de 50 mil estudantes universitários começaram a estudar fora do país, especialmente em destinos como Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e Portugal. Com a crise sanitária, as fronteiras foram fechadas e essa possibilidade se transformou em um sonho mais distante. Muitas universidades fecharam seus câmpus e ficaram só no ensino remoto. Mesmo assim, as universidades internacionais não deixaram de buscar estudantes em outros países, o que é muito bom porque apostar no estudo universitário em outro país é uma oportunidade muito grande de crescimento pessoal, com chances de desenvolvimento de muitas habilidades socioemocionais como inteligência emocional, liderança, resiliência e autoconhecimento. Esse é um sonho de muitos estudantes que querem ampliar seus horizontes, sua cultura e conhecer novas pessoas. Mas quais são os passos para conquistar esse objetivo? Em muitos casos, quando esse desejo nasce, alguns estudantes já podem ter vivenciado uma experiência internacional mais curta, como um período de intercâmbio no high school, ou até mesmo um summer em alguma universidade, no qual pode sentir um pouco da cultura do lugar durante as férias escolares no Brasil. Portanto, para quem quer estudar fora, especialmente, cursar uma faculdade em outro país, o primeiro movimento é aumentar a sua proficiência na língua do país desejado. Outro ponto importante para o estudante que quer morar fora é providenciar documentos, como passaporte e outros exigidos nas instituições universitárias, e também obter o visto. No entanto, há uma série de iniciativas que também precisam ser tomadas para começar a se preparar. Por onde começar a se preparar para estudar fora do país? Se preparar para estudar fora vai exigir uma dose extra de energia, porque, além de cumprir os requisitos para finalizar o ensino médio e se preparar para os vestibulares do país, caso o estudante queira prestar aqui, também serão necessárias algumas atividades paralelas. Veja quais iniciativas precisa tomar: 1 - Defina o seu destino Ao definir o destino, o estudante já pode providenciar as aulas de proficiência na língua para o país para onde deseja ir. Essa iniciativa é bastante importante porque o estudante vai precisar estar afiado para o exame de qualificação da língua. Além disso, também já começa a pensar no lugar onde realmente gostaria de viver durante alguns anos ou para o resto da vida. 2 - Entenda o seu perfil Qual é o seu perfil pessoal e acadêmico? É um estudante mais técnico? Tende mais à socialização? Gosta mais da área de pesquisa ou de atividades mais práticas? Como são as suas notas? Vai precisar de bolsa de estudo? Faça uma autoavaliação bastante sincera sobre o seu histórico e isso vai ajudar a alinhar melhor a expectativa com a realidade. Para isso, também peça opinião dos professores, pais e outras pessoas que convivem com você. 3 - Pesquise as universidades É necessário começar a pesquisar os requisitos necessários de cada universidade pretendida. Isso também é importante para entender se a instituição está alinhada ao seu perfil. 4 - Comece a participar de atividades extracurriculares Nas applications das universidades internacionais, os estudantes precisam mostrar, além das notas e atividades acadêmicas, onde mais se envolvem. Podem ser experiências profissionais, trabalhos de voluntariado, participação em olimpíadas de conhecimento ou outros tipos de premiações. 5 - Pesquise e realize os exames necessários Enquanto no Brasil há os vestibulares para selecionar os candidatos, em alguns países existem outros tipos de exames seletivos, que são um pouco diferentes. O SAT (Scholastic Aptitude Test) ou o ACT (American College Testing), por exemplo, podem ser considerados versões do ENEM nos Estados Unidos. O candidato deverá pesquisar quais são os exames necessários no país onde quer estudar e ficar preparado para a realização deles. 6 - Solicite cartas de recomendação Algumas universidades exigem cartas de recomendação junto com a documentação do estudante. São depoimentos para atestar as competências dos candidatos, que podem ser escritas por professores ou por pessoas com quem já trabalhou. Interessante é não deixar para pedir essas cartas na última hora. Conheça o Núcleo Internacional do Planck No Núcleo Internacional do Colégio Planck existem recursos para preparar os estudantes de forma acadêmica, cultural e linguisticamente para morar fora. Com as disciplinas de idiomas, o Núcleo promove um nivelamento linguístico de inglês, francês, espanhol, alemão e libras. Além disso, o Colégio Planck também é centro preparatório para os exames de certificação em inglês de Cambridge. Além disso, para aqueles que realmente decidem estudar em uma universidade internacional, existe o Planck Global Guidance (PGG). PGG: um programa como nunca se viu em um Colégio Esse é um programa muito especial que possibilita a imersão em summers em universidades internacionais e também promove preparo bastante intenso para application em uma universidade no exterior. No início do ensino médio, as famílias e estudantes interessados já são apresentados ao programa, que traz todos os próximos passos que precisam ser trilhados para o estudo no exterior. Os estudantes e seus responsáveis são orientados pelos profissionais qualificados do time Planck, incluindo uma college counselor, que é profundamente conhecedora dos processos seletivos e perfis de universidades em todo o mundo. Essa equipe do Planck vai ajudar o estudante em suas pesquisas sobre as universidades, vai orientá-lo nas inscrições, preenchimento de formulários, realização de exames, cartas de recomendação e entrevistas com as universidades. Se você quer estudar fora do país, ao fazer parte do PGG, terá todo o respaldo da equipe do Colégio Planck para ajudá-lo a realizar esse sonho.

2 – Entenda o seu perfil

Qual é o seu perfil pessoal e acadêmico? É um estudante mais técnico? Tende mais à socialização? Gosta mais da área de pesquisa ou de atividades mais práticas? Como são as suas notas? Vai precisar de bolsa de estudo?

Faça uma autoavaliação bastante sincera sobre o seu histórico e isso vai ajudar a alinhar melhor a expectativa com a realidade. Para isso, também peça opinião dos professores, pais e outras pessoas que convivem com você.

3 – Pesquise as universidades

É necessário começar a pesquisar os requisitos necessários de cada universidade pretendida. Isso também é importante para entender se a instituição está alinhada ao seu perfil.

4 – Comece a participar de atividades extracurriculares

Nas applications das universidades internacionais, os estudantes precisam mostrar, além das notas e atividades acadêmicas, onde mais se envolvem. Podem ser experiências profissionais, trabalhos de voluntariado, participação em olimpíadas de conhecimento ou outros tipos de premiações.  

5 – Pesquise e realize os exames necessários

Enquanto no Brasil há os vestibulares para selecionar os candidatos, em alguns países existem outros tipos de exames seletivos, que são um pouco diferentes. O SAT (Scholastic Aptitude Test) ou o ACT (American College Testing), por exemplo, podem ser considerados versões  do ENEM nos Estados Unidos

O candidato deverá pesquisar quais são os exames necessários no país onde quer estudar e ficar preparado para a realização deles.

Até o início da pandemia, só crescia o número de brasileiros que estavam indo estudar no exterior. Com a crise sanitária, muitos estudantes ficaram impossibilitados de realizar esse sonho. Mas, agora, com uma certa normalização nas atividades, os estudantes voltam a planejar morar e se graduar fora do país. Se o seu filho também quer estudar no exterior veja neste texto por onde começar. Já é hora de voltar ao sonho de estudar no exterior? Só em 2018, mais de 50 mil estudantes universitários começaram a estudar fora do país, especialmente em destinos como Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e Portugal. Com a crise sanitária, as fronteiras foram fechadas e essa possibilidade se transformou em um sonho mais distante. Muitas universidades fecharam seus câmpus e ficaram só no ensino remoto. Mesmo assim, as universidades internacionais não deixaram de buscar estudantes em outros países, o que é muito bom porque apostar no estudo universitário em outro país é uma oportunidade muito grande de crescimento pessoal, com chances de desenvolvimento de muitas habilidades socioemocionais como inteligência emocional, liderança, resiliência e autoconhecimento. Esse é um sonho de muitos estudantes que querem ampliar seus horizontes, sua cultura e conhecer novas pessoas. Mas quais são os passos para conquistar esse objetivo? Em muitos casos, quando esse desejo nasce, alguns estudantes já podem ter vivenciado uma experiência internacional mais curta, como um período de intercâmbio no high school, ou até mesmo um summer em alguma universidade, no qual pode sentir um pouco da cultura do lugar durante as férias escolares no Brasil. Portanto, para quem quer estudar fora, especialmente, cursar uma faculdade em outro país, o primeiro movimento é aumentar a sua proficiência na língua do país desejado. Outro ponto importante para o estudante que quer morar fora é providenciar documentos, como passaporte e outros exigidos nas instituições universitárias, e também obter o visto. No entanto, há uma série de iniciativas que também precisam ser tomadas para começar a se preparar. Por onde começar a se preparar para estudar fora do país? Se preparar para estudar fora vai exigir uma dose extra de energia, porque, além de cumprir os requisitos para finalizar o ensino médio e se preparar para os vestibulares do país, caso o estudante queira prestar aqui, também serão necessárias algumas atividades paralelas. Veja quais iniciativas precisa tomar: 1 - Defina o seu destino Ao definir o destino, o estudante já pode providenciar as aulas de proficiência na língua para o país para onde deseja ir. Essa iniciativa é bastante importante porque o estudante vai precisar estar afiado para o exame de qualificação da língua. Além disso, também já começa a pensar no lugar onde realmente gostaria de viver durante alguns anos ou para o resto da vida. 2 - Entenda o seu perfil Qual é o seu perfil pessoal e acadêmico? É um estudante mais técnico? Tende mais à socialização? Gosta mais da área de pesquisa ou de atividades mais práticas? Como são as suas notas? Vai precisar de bolsa de estudo? Faça uma autoavaliação bastante sincera sobre o seu histórico e isso vai ajudar a alinhar melhor a expectativa com a realidade. Para isso, também peça opinião dos professores, pais e outras pessoas que convivem com você. 3 - Pesquise as universidades É necessário começar a pesquisar os requisitos necessários de cada universidade pretendida. Isso também é importante para entender se a instituição está alinhada ao seu perfil. 4 - Comece a participar de atividades extracurriculares Nas applications das universidades internacionais, os estudantes precisam mostrar, além das notas e atividades acadêmicas, onde mais se envolvem. Podem ser experiências profissionais, trabalhos de voluntariado, participação em olimpíadas de conhecimento ou outros tipos de premiações. 5 - Pesquise e realize os exames necessários Enquanto no Brasil há os vestibulares para selecionar os candidatos, em alguns países existem outros tipos de exames seletivos, que são um pouco diferentes. O SAT (Scholastic Aptitude Test) ou o ACT (American College Testing), por exemplo, podem ser considerados versões do ENEM nos Estados Unidos. O candidato deverá pesquisar quais são os exames necessários no país onde quer estudar e ficar preparado para a realização deles. 6 - Solicite cartas de recomendação Algumas universidades exigem cartas de recomendação junto com a documentação do estudante. São depoimentos para atestar as competências dos candidatos, que podem ser escritas por professores ou por pessoas com quem já trabalhou. Interessante é não deixar para pedir essas cartas na última hora. Conheça o Núcleo Internacional do Planck No Núcleo Internacional do Colégio Planck existem recursos para preparar os estudantes de forma acadêmica, cultural e linguisticamente para morar fora. Com as disciplinas de idiomas, o Núcleo promove um nivelamento linguístico de inglês, francês, espanhol, alemão e libras. Além disso, o Colégio Planck também é centro preparatório para os exames de certificação em inglês de Cambridge. Além disso, para aqueles que realmente decidem estudar em uma universidade internacional, existe o Planck Global Guidance (PGG). PGG: um programa como nunca se viu em um Colégio Esse é um programa muito especial que possibilita a imersão em summers em universidades internacionais e também promove preparo bastante intenso para application em uma universidade no exterior. No início do ensino médio, as famílias e estudantes interessados já são apresentados ao programa, que traz todos os próximos passos que precisam ser trilhados para o estudo no exterior. Os estudantes e seus responsáveis são orientados pelos profissionais qualificados do time Planck, incluindo uma college counselor, que é profundamente conhecedora dos processos seletivos e perfis de universidades em todo o mundo. Essa equipe do Planck vai ajudar o estudante em suas pesquisas sobre as universidades, vai orientá-lo nas inscrições, preenchimento de formulários, realização de exames, cartas de recomendação e entrevistas com as universidades. Se você quer estudar fora do país, ao fazer parte do PGG, terá todo o respaldo da equipe do Colégio Planck para ajudá-lo a realizar esse sonho.

6 – Solicite cartas de recomendação

Algumas universidades exigem cartas de recomendação junto com a documentação do estudante. São depoimentos para atestar as competências dos candidatos, que podem ser escritas por professores ou por pessoas com quem já trabalhou. Interessante é não deixar para pedir essas cartas na última hora. 

Conheça o Núcleo Internacional do Planck

No Núcleo Internacional do Colégio Planck existem recursos para preparar os estudantes de forma acadêmica, cultural e linguisticamente para estudar no exterior.

Com as disciplinas de idiomas, o Núcleo promove um nivelamento linguístico de inglês, francês, espanhol, alemão e libras. Além disso, o Colégio Planck também é centro preparatório para os exames de certificação em inglês de Cambridge.

Além disso, para aqueles que realmente decidem estudar em uma universidade internacional, existe o Planck Global Guidance (PGG).

ebook Planck Global Guidance site

PGG: um programa como nunca se viu em um Colégio

Esse é um programa muito especial que possibilita a imersão em summers em universidades internacionais e também promove preparo bastante intenso para application em uma universidade no exterior.

No início do ensino médio, as famílias e estudantes interessados já são apresentados ao programa, que traz todos os próximos passos que precisam ser trilhados para o estudo no exterior.

Os estudantes e seus responsáveis são orientados pelos profissionais qualificados do time Planck, incluindo uma college counselor, que é profundamente conhecedora dos processos seletivos e perfis de universidades em todo o mundo.

Essa equipe do Planck vai ajudar o estudante em suas pesquisas sobre as universidades, vai orientá-lo nas inscrições, preenchimento de formulários, realização de exames, cartas de recomendação e entrevistas com as universidades.

Se você quer estudar fora do país, ao fazer parte do PGG, terá todo o respaldo da equipe do Colégio Planck para ajudá-lo a realizar esse sonho.

Leia também:

 

Compartilhe:

Leia também:

Translate »