É hora da retomada: como sua escola está se preparando para a volta às aulas?

Conteúdo

Ainda na pandemia, é hora de pensar como se preparar para a retomada das aulas presenciais, mesmo que não haja uma data específica para esse acontecimento.

Depois de serem tomadas pela surpresa da suspensão das aulas, as instituições de ensino foram forçadas a uma adaptação e muito planejamento para atuar diante da notícia. Porém, agora é hora de pensar como se preparar para a retomada das atividades presenciais, ainda que não haja uma data específica para esse acontecimento.

Para abordar o assunto, o site Tecnologia Educacional fez uma live com o professor e diretor do Colégio Planck, André Guadalupe, e o diretor de Mercado da Gennera Sistema de Gestão Educacional, Paulo Cezar Sponchiado.


Anúncio governamental da suspensão das aulas surpreende escolas

Quando a crise da Covid-19 chegou à China no fim do ano passado e outros países assistiram às cenas de ruas vazias e setores inteiramente parados naquele país, a maioria esmagadora das pessoas não percebeu que o mundo inteiro viveria o mesmo.

Então, quando a Organização Mundial da Saúde decretou a pandemia em 11 de março, os alertas começaram a se acender em diversos segmentos. A área da Educação no Brasil foi atingida em cheio quando o Governo anunciou a suspensão das aulas a partir do dia 23 de março. Muitos colégios, como o Planck, soube da suspensão apenas 4 dias antes da data oficial do fechamento das escolas. 

Alcançados pelo problema totalmente de surpresa, os colégios precisaram implantar, de fato, a cultura digital que já estava regulamentada pela BNCC (Base Nacional Comum Curricular).

No entanto, antes da pandemia, a maioria dos colégios utilizava a tecnologia de forma atingir apenas os estudantes, que já eram nativos digitais. O enfoque antes era trazer a tecnologia para melhorar, enriquecer e se tornar um diferencial nas escolas.

Mas com a decretação da pandemia, as ações tinham que ser rápidas para não prejudicar os estudantes. No Planck, a atuação do Colégio foi realizada por fases: a primeira contou com criação de roteiros, enquanto todos os professores foram colocados para o home office para providenciar seus estúdios que iriam representar as novas salas de aula de forma remota. 

Muitos deles tiveram que aprender a usar as ferramentas tecnológicas mas deram conta do recado e produziram aulas gravadas e, posteriormente, aulas ao vivo.

Então, no Planck, foram três frentes de trabalho: a criação de um suporte técnico;  o cuidado com a parte pedagógica e também a observação dos fatores psicológicos de todos os envolvidos, inclusive das famílias.

O principal cuidado ainda é levar um ponto de otimismo para dentro das casas, já que o  momento no lado exterior tem sido muito sofrido, envolvendo perda de pessoas e de rendimentos.

Ainda na pandemia, é hora de pensar como se preparar para a retomada das aulas presenciais, mesmo que não haja uma data específica para esse acontecimento.

 

Leia também:

➡️ – O Colégio de hoje precisa estimular a criatividade

Pontos de atenção durante a crise

Uma das grandes percepções durante a suspensão das aulas,  quando o ensino precisou ser transformado em 100% digital da noite para o dia, é a necessidade de formação do professor nas ferramentas tecnológicas.

Quem promove gestão educacional percebeu que esse foi o grande problema vivenciado por boa parte dos colégios no Brasil afora, porque a adaptação, nesses casos, foi muito mais difícil. Alguns colégios precisaram adotar até férias coletivas porque não havia possibilidade de continuar oferecendo conteúdo aos estudantes naquele momento.

Com exceção do ensino superior à distância, que já estava preparado para aulas remotas, o Ensino Básico e muitos colégios de Ensino Médio não conseguiram se organizar. Ainda havia muita dúvida na operação da tecnologia por parte dos mestres e pouco suporte para suprir a necessidade em caráter de urgência.

É preciso mais direcionamento para promover a formação dos professores na cultura digital. Esses profissionais precisam seguir alguns passos:

– Saber organizar as aulas para o formato remoto;

– Gravar vídeos e fazer lives;

– Ensinar de maneira divertida utilizando recursos tecnológicos;

– Inserir a gamificação em aula;

– Fazer avaliações online.

Porém, o maior desafio percebido na pandemia é que o ensino remoto não deve tirar a essência do professor nas aulas. Cada professor vai ter o seu jeito e suas formas de ensinar.

O Planck, que já é um colégio parceiro Google, teve menos dificuldades que outras instituições de ensino. Porém, também vivenciou experiências de profissionais que não tinham a internet adequada para as aulas à distância ou até mesmo não tinham experiência com as ferramentas tecnológicas.

Neste aspecto, o trabalho em colaboração de todos os envolvidos do Colégio funcionou tanto como suporte técnico como emocional dos profissionais.

Ainda na pandemia, é hora de pensar como se preparar para a retomada das aulas presenciais, mesmo que não haja uma data específica para esse acontecimento.

Expectativas para a retomada das aulas

Ainda que não exista uma data específica para a retomada das aulas, a grande expectativa é que todo o setor da Educação saia fortalecido, com grandes lições aprendidas, porque as portas estão fechadas mas as escolas continuam vivas, em formato diferente.

No caso do Planck, a aprendizagem socioemocional que já faz parte da proposta pedagógica do colégio, foi muito destacada no processo do ensino remoto. 

Os estudantes foram incentivados a ter mais protagonismo, autonomia, disciplina, organização, autogestão e mais colaboração. Por outro lado, os vários profissionais envolvidos no processo também fizeram uso das próprias habilidades socioemocionais. 

Além disso, a empatia tornou-se a grande palavra do momento, com pessoas dando exemplos de ações coletivas, pensando na sociedade como todo. 

Para o Planck, na retomada, essas habilidades socioemocionais serão ainda mais destacadas porque ganharam mais valor no processo. Todos puderam aprender a ser mais resilientes e usar mais a criatividade.

O setor da Educação como um todo teve que aprender que a tecnologia, que era uma dúvida passou a ser certeza, mas com isso, os professores ganharam mais empoderamento e perceberam que as ferramentas digitais podem sim ser verdadeiras aliadas do processo pedagógico. 

Uma grande tendência na retomada é o ensino híbrido, que coloca o presencial e o remoto como elementos importantes e que não competem entre si. Não será possível voltar ao modelo anterior à pandemia. 

Ainda na pandemia, é hora de pensar como se preparar para a retomada das aulas presenciais, mesmo que não haja uma data específica para esse acontecimento.

Para mesclar esses modelos podem ser tomadas algumas ações:

– Garantir uma boa comunicação entre todos os envolvidos no processo de ensino;

– Garantir um registro desse aprendizado;

– Selecionar o aprendizado que vai ser levado para o pós-crise;

– Garantir a fidelização e o relacionamento com as famílias;

– Fazer os colégios trabalharem de forma mais empática. 

A crise também poderá servir como um incentivo para que os colégios trabalhem mais na profissionalização de sua gestão, utilizando indicadores e metas para suas propostas pedagógicas e financeiras.

Cada instituição de ensino vai perceber que pode incorporar novos elementos à sua proposta, sem perder a sua alma, com suas características e diferenciais que atraem seus alunos e famílias.

Se os colégios conseguirem mostrar que estão saindo desse processo melhores do que entraram, com uma percepção mais humana, vão exercer o real papel do educador, que é transformar o mundo em um lugar melhor.

 

Compartilhe:

Leia também:

A Robótica é uma disciplina que agrega grande valor à vivência de cada participante porque estimula a criatividade, experimentação, trabalho em equipe e pensamento lógico. Entenda por que essa matéria tem sido fundamental na Educação até mesmo para o desenvolvimento de habilidades socioemocionais. Principais funções da Robótica na Educação A robótica pode ser explicada como uma série de procedimentos que levam à criação de uma máquina ou mecanismo eletromecânico que é capaz de realizar tarefas a partir de um conjunto de instruções pré-programadas. Em setores como a medicina, indústria e atendimento online, já se desenvolve há tempos, porém, também percebeu-se que é uma poderosa ferramenta de aprendizagem. No Colégio Planck, o Professor Paulo Henrique Pereira, responsável pela atividade de Robótica, afirma que a matéria está alinhada com as competências gerais da BNCC. “A Robótica é um espaço propício para desenvolver as competências 4 e 5, pois além da linguagem diferente, a tecnologia também é empregada para a resolução de problemas”, revela. 10 Competências Gerais da Base Nacional Comum 1 - Conhecimento 2 - Pensamento científico, crítico e criativo 3 - Repertório Cultural 4 - Comunicação 5 - Cultural Digital 6 - Trabalho e projeto de vida 7 - Argumentação 8 - Autoconhecimento e autocuidado 9 - Empatia e cooperação 10 - Responsabilidade e Cidadania A BNCC reconhece a tecnologia na formação dos estudantes e estimula que eles dominem o universo digital, por isso, para a competência Cultural Digital, reforça esse papel: “ Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares), para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva”, diz o documento. Papel da robótica no desenvolvimento de habilidades socioemocionais Segundo o professor, no que se refere aos aspectos socioemocionais, por se tratar de um processo de resolução de problemas em equipe, a Robótica desenvolve principalmente o pensamento criativo e científico, a tolerância ao estresse e à frustração, o foco e a organização, a assertividade e a confiança. Porém, reforça o grande papel da disciplina no desenvolvimento da criatividade. “A criatividade é indispensável no processo, pois possibilita conexões entre as diversas áreas do conhecimento visando o objetivo desejado pelo aluno, tornando o processo ainda mais significativo.”, diz. Todas essas habilidades socioemocionais são reforçadas também pela Cultura Maker, que está inserida no DNA do Planck, com a grande contribuição do laboratório Design Maker, que também incentiva a criação. “A cultura maker está bastante presente no Colégio. Então, com as aulas de Robótica não é diferente, o estudante é convidado a desenvolver conhecimentos e habilidades estimulado por um problema que precisa de solução.” Robótica favorece o aprendizado de outras áreas de conhecimento? Segundo o professor, como a Robótica é composta por um conjunto de ferramentas e habilidades que se colocam a serviço da resolução de um problema, é neste ponto que as outras áreas do conhecimento entram no processo, pois a solução exigirá do estudante que use seu conhecimento prévio ou que pesquise conteúdos de outras disciplinas. Além disso, conhecimentos de matemática e física são diretamente necessários para o uso e compreensão da tecnologia empregada. Além de estar dentro do Núcleo de Tecnologia, que também inclui a disciplina de Programação, a Robótica também integra o Programa Planck de Preparação Olímpica (P3O), oferecendo a oportunidade do estudante se preparar para participar de competições. Benefícios de inserir o estudante na Robótica: Estímulo do aprendizado de matemática, física e inglês Estímulo do raciocínio lógico Desenvolvimento da criatividade Melhoria na organização de pensamentos e ações Estimula o desenvolvimento de aptidões Desenvolve habilidades para resolução de problemas Conclusão Em uma cultura cada vez mais digital, a Robótica é também uma forma muito estimulante de preparar os estudantes para um melhor desempenho de seus papéis profissionais no futuro. Percebe-se que a disciplina vai bem além do que se vê na ficção científica, porque ensina habilidades fundamentais em qualquer setor da vida.

Robótica: qual é o papel na Educação?

A Robótica é uma disciplina que agrega grande valor à vivência de cada participante porque estimula a criatividade, experimentação, trabalho em equipe e pensamento lógico.

Translate »