Neurociência: como funciona o cérebro de um adolescente?

Conteúdo

Quem tem filhos adolescentes pode perceber que, às vezes, eles têm comportamentos maduros e admiráveis do ponto de vista adulto, e em outros momentos condutas bastante imaturas, impulsivas e até ilógicas. Por que acontece essa alternância de comportamento? Para saber a resposta é preciso entender como funciona o cérebro de um adolescente. Leia mais neste texto. Cérebro adolescente ainda está em desenvolvimento O cérebro de uma criança tem um desenvolvimento muito grande na primeira infância. Esse crescimento começa na gestação, é bastante rápido entre os 3 e 5 anos, e até os 6 anos, já tem cerca de 95% do tamanho do cérebro de um adulto. Até os 9 anos, todos os blocos de construção cerebral estão presentes. Porém, esse desenvolvimento e remodelação continuam no período da adolescência e a maturidade cerebral só vai ocorrer por volta dos 25 anos. Todas as mudanças vão depender das mudanças hormonais, experiências e idade. Na fase da adolescência, o que impera ainda são os conteúdos presentes no sistema límbico, que fica na parte de trás do cérebro, que é importante para a memória (hipocampo) e está próxima da amígdala, que ajuda a produzir as emoções, impulsos, comportamento instintivo e até agressividade. Associada a um típico quadro de baixa dosagem de serotonina e dopamina no organismo, que são neurotransmissores responsáveis por gerar a sensação de bem-estar, os jovens podem apresentar um verdadeiro carrossel de emoções. E quais são essas ações que os estudantes podem ter nessa fase? Eles podem, por exemplo, tomar atitudes impulsivas, escolher atividades de alto risco e expressar suas emoções de forma bastante intensa. Durante a adolescência, isso ocorre porque o córtex pré-frontal ainda está sendo modelado. Essa é a área responsável pelas tomadas de decisão, autocontrole, pensamento crítico, atenção, planejamento, controle de emoções, avaliação das consequências dos impulsos e dos riscos, desenvolvimento da empatia e capacidade de resolução de problemas. Por isso, os adolescentes manifestam comportamentos alternados, porque enquanto contam com o material já presente no sistema límbico, vão adquirindo também bagagem para agir de acordo com o conteúdo que vão acrescentado ao seu córtex pré-frontal, que está em pleno desenvolvimento. Como ajudar o seu filho a construir um cérebro mais saudável? Não adianta apenas entender como funciona o cérebro de um adolescente, é preciso ajudá-lo. A evolução cerebral também será afetada pelo ambiente onde ele está, por isso, é importante que a família e colégio saibam apresentar vivências saudáveis para que eles tenham um desenvolvimento positivo. Oferecer atividades e ajudar no desenvolvimento de suas habilidades vão influenciar fortemente no que eles sentem, pensam e na forma como agem no momento presente e como vão se comportar no futuro. Essa é uma oportunidade de "programar'' o cérebro de forma saudável. Por esse motivo, é importante pensar nas experiências e atividades que serão úteis ao processo, como estudar idiomas, praticar esportes, investir no aprendizado musical e até mesmo jogar videogames. Além disso, os exemplos de condutas de pais, professores e toda a equipe pedagógica também podem deixar heranças no desenvolvimento cerebral de um estudante. Busca por estímulos constantes Ajudar os adolescentes a desenvolver a organização é muito importante, porque, nesta fase, essa não é uma prioridade para eles. Na adolescência, eles buscam novidades e aventuras, porque os cérebros deles ainda buscam constantemente por estímulos e novidades. Essa explicação também ajuda a entender por que eles não desgrudam dos smartphones. Essas ferramentas tecnológicas oferecem uma grande estimulação cerebral, com as redes sociais, jogos e bate-papos. Mas, como o córtex pré-frontal ainda está em desenvolvimento, eles não sabem -- e nem querem saber-- a hora de parar de desgrudar os olhos das telas. São os adultos que vão dar essas medidas e acrescentar essas informações ao córtex pré-frontal dos adolescentes que, de acordo com o tempo, vão absorver esses ensinamentos sobre ser mais sensato e produtivo em cada atividade praticada. Além disso, outro ponto importante do desenvolvimento cerebral dos adolescentes é que essa é uma fase de cortar alguns laços, por isso, muitas vezes, os adolescentes se mostram mais distantes com os pais. No entanto, neste momento, pais e também educadores precisam ter muito cuidado e atenção, porque um adolescente que está distante, isolado e apresentando baixo rendimento escolar pode estar manifestando quadros depressivos. Por isso, a observação, carinho e diálogo é sempre a medida mais eficaz. Atividades que ajudam no desenvolvimento cerebral É preciso entender esse desenvolvimento do córtex pré-frontal e estimular conexões cerebrais positivas, por exemplo: No Colégio Fazer os estudantes entenderem as consequências e os cursos que uma determinada ação poderá tomar; Estimular os riscos calculados, que os auxiliem a ter mais autonomia e independência sem medo das tentativas; Promover as habilidades de pensamento; Encorajar o comportamento positivo; Ajudar os adolescentes na prática de habilidades socioemocionais, como encontrar formas de controlar as emoções e expressá-las de forma criativa, sem agressividade. Em casa É preciso estimular rotinas que os ajudem a ter estrutura e organização, como estipular horários para estudar, se alimentar, se divertir e dormir; Pais devem impor limites, mas também saber flexibilizar quando a situação permitir; Elogiar as conquistas dos filhos; Estimular que os filhos pratiquem atividades físicas, que podem, inclusive, produzir um aumento nos níveis de dopamina serotonina e até evitar quadros depressivos; Ser um exemplo positivo de conduta, que demonstre a importância da maturidade cerebral para os processos da vida. Método pedagógico do Colégio Planck O Colégio Planck estimula conexões cerebrais positivas em seus estudantes com uma metodologia baseada em projetos e no desenvolvimento das habilidades socioemocionais. No Colégio, toda equipe pedagógica entende que essas mudanças neurais são necessárias e muito importantes no desenvolvimento de cada estudante. Por isso, todos estão dispostos a ajudá-los a atravessar esse período de forma mais tranquila e saudável. No Planck, os estudantes são desenvolvidos para ser protagonistas e encontrar suas características especiais, que os fazem únicos e importantes para toda a sociedade. Para isso, além da grade curricular, proporciona experiências que ampliam a bagagem cognitiva, pessoal e cultural dos seus estudantes, com aulas eletivas e diversas atividades extracurriculares que os estimulem ao alto desempenho, mas também a se tornar pessoas diferenciadas no mundo em que vivem, que sejam éticas, relevantes, competentes, autônomas e globais.

Quem tem filhos adolescentes pode perceber que, às vezes,  eles têm comportamentos maduros e admiráveis do ponto de vista adulto, e em outros momentos condutas bastante imaturas, impulsivas e até ilógicas. Por que acontece essa alternância de comportamento?

Para saber a resposta é preciso entender como funciona o cérebro de um adolescente. Leia mais neste texto.

Cérebro adolescente ainda está em desenvolvimento

O cérebro de uma criança tem um desenvolvimento muito grande na primeira infância. Esse crescimento começa na gestação, é bastante rápido entre os 3 e 5 anos, e até os 6 anos, já tem cerca de 95% do tamanho do cérebro de um adulto. Até os 9 anos, todos os blocos de construção cerebral estão presentes. 

Porém, esse desenvolvimento e remodelação continuam no período da adolescência e a maturidade cerebral só vai ocorrer por volta dos 25 anos. Todas as mudanças vão depender das mudanças hormonais, experiências e idade. 

Na fase da adolescência, o que impera ainda são os conteúdos presentes no sistema límbico, que fica  na parte de trás do cérebro, que é importante para a memória (hipocampo) e está próxima da amígdala, que ajuda a produzir as emoções, impulsos, comportamento instintivo e até agressividade.

Associada a um típico quadro de baixa dosagem de serotonina e dopamina no organismo, que são neurotransmissores responsáveis por gerar a sensação de bem-estar, os jovens podem apresentar um verdadeiro carrossel de emoções.

Férias para vestibulandos? Será que é possível descansar quando os vestibulares estão chegando ou é melhor se dedicar de corpo e alma aos estudos? Veja nesse texto qual é a melhor atitude a ser tomada nesse período. Qual a melhor atitude para os vestibulandos nas férias? O ano foi bastante intenso nos estudos, o Enem já passou e a primeira fase de alguns vestibulares também, então, será que é possível dar uma pausa nas apostilas neste período? Antes de mais nada, é preciso lembrar que há dois tipos de vestibulandos: um que está ingressando no terceiro ano do ensino médio e outro que está finalizando o ensino médio, quando as provas do vestibular para eles já são para valer e vão determinar a conquista ou não de uma vaga no curso escolhido. Estudar nas férias para os estudantes que estão entrando no terceiro ano do ensino médio, pode representar também um tempo mais livre para pesquisar melhor sobre a área que vai escolher, estudar um guia de profissões, e entender mais em quais disciplinas têm mais dificuldades e que vai exigir um plano de estudos ao longo do ano, ou quais as disciplinas que mais têm afinidade, etc. Já para aqueles que estão saindo do ensino médio e agora vão começar a estudar sozinhos, estudar nas férias vai ter o objetivo de não perder o ritmo de estudo, fazer revisões e até colocar em dia conteúdos que ficaram atrasados no seu plano de estudo. Essa medida pode ser decisiva para os resultados. Em ambos os casos, a dica de vários especialistas é que haja um equilíbrio entre o descanso e o estudo, especialmente, para aqueles que já estão perto do prazo das segundas fases dos vestibulares. Descansar nos primeiros dias das férias pode oferecer a pausa que o corpo e a mente precisam depois de um ano com longas horas de estudos todos os dias. Mas, não dá para se desligar totalmente, depois da primeira semana de férias, o ideal é retomar os estudos, com um ritmo diferente, mas com uma gestão eficiente do tempo. Estudo e lazer podem ser conciliados em várias atividades Para conseguir ter um equilíbrio entre o tempo para descansar e estudar, é preciso fazer uma divisão do tempo disponível. Ao mapear os seus prazos, o estudante deve levar em consideração todas as atividades incluídas no seu dia, como sono, hora de refeições, banho, lazer e estudo, etc. Assim, conseguirá fazer um planejamento de quanto tempo precisa para descansar, e de quanto tempo é necessário para retomar o ritmo. Uma dica para as férias dos vestibulandos para quem já se dedicou bastante, é diminuir um pouco a carga horária de estudos, reservando apenas um período do dia, pode ser pela manhã ou à tarde, e não estudar aos finais de semana para ter um pouco mais de tempo de lazer e relaxar o corpo e a mente. Nas férias, no seu momento dedicado ao lazer também é possível conciliar o estudo como o próprio momento de relaxamento, ao assistir a filmes, documentários e seriados, ou ler obras que possam ajudá-los nos vestibulares. Até mesmo durante uma viagem, o estudante pode usar desse recurso para descansar mas continuar “estudando”. Mas lembre-se que relaxar é muito importante, mesmo para aqueles que estão em busca de áreas muito concorridas, como a medicina. Então, aproveite o tempo de descanso para gerenciar o estresse e aproveitar para ver os amigos, praticar uma atividade física que goste, fazer trilhas, ouvir músicas e ter boas noites de sono. O que você deve estudar nas férias? Procure otimizar o seu tempo durante as férias, especialmente com a chegada dos exames. Aproveite essas dicas para manter o ritmo: Faça uma revisão das disciplinas; Reveja os conteúdos atrasados; Aproveite para dedicar-se ao conteúdo de Atualidades; Faça exercícios de várias disciplinas; Faça ao menos 1 redação por semana. Conclusão Em qualquer época do ano, e não só nas férias dos vestibulandos, os estudantes precisam ter uma boa gestão do tempo, para se dedicar ao estudo no prazo que for necessário, mas também não deixar de lado as suas horas de lazer ou concentração. Quem não faz isso pode chegar nesse período totalmente exausto e ainda com uma sensação de que não vai conseguir atingir suas metas. Por isso, manter o equilíbrio físico e emocional é tão essencial. Além disso, nas férias, há mais uma dica que é importantíssima: não troque o dia pela noite. Mesmo sabendo que não tem aulas no dia seguinte, procure manter o seu padrão de dormir no horário adequado e em torno de 8 horas, que será fundamental para o rendimento.

E quais são essas ações que os estudantes podem ter nessa fase? Eles podem, por exemplo, tomar atitudes impulsivas, escolher atividades de alto risco e expressar suas emoções de forma bastante intensa.

Durante a adolescência, isso ocorre porque o córtex pré-frontal ainda está sendo modelado. Essa é a área responsável pelas tomadas de decisão, autocontrole, pensamento crítico, atenção, planejamento, controle de emoções, avaliação das consequências dos impulsos e dos riscos, desenvolvimento da empatia e capacidade de resolução de problemas.

Por isso, os adolescentes manifestam comportamentos alternados, porque enquanto contam com o material já presente no sistema límbico, vão adquirindo também bagagem para agir de acordo com o conteúdo que vão acrescentado ao seu córtex pré-frontal, que está em pleno desenvolvimento.

 

Como ajudar o seu filho a construir um cérebro mais saudável?

Não adianta apenas entender como funciona o cérebro de um adolescente, é preciso ajudá-lo. A evolução cerebral também será afetada pelo ambiente onde ele está, por isso, é importante que a família e colégio saibam apresentar vivências saudáveis para que eles tenham um desenvolvimento positivo.

Oferecer atividades e ajudar no desenvolvimento de suas habilidades vão influenciar fortemente no que eles sentem, pensam e na forma como agem no momento presente e como vão se comportar no futuro. Essa é uma oportunidade de “programar” o cérebro de forma saudável.

Por esse motivo, é importante pensar nas experiências e atividades que serão úteis ao processo, como estudar idiomas, praticar esportes, investir no aprendizado musical e até mesmo jogar videogames.

Além disso, os exemplos de condutas de pais, professores e toda a equipe pedagógica também podem deixar heranças no desenvolvimento cerebral de um estudante.

Apesar de ser um período de descanso, as férias também podem ser um momento de participar de atividades agradáveis e divertidas que colaboram com a formação do estudante. Veja neste texto, dicas de atividades que vão contribuir para enriquecer a bagagem intelectual e as habilidades socioemocionais neste período. Por que as atividades de férias são valiosas para a formação? Especialmente depois de um ano inteiro cheio de atividades, sabemos que as férias são importantes para fazer uma pausa para a mente e para o corpo, o que permite renovar energias e até ideias, além de desestressar. Essa pausa funciona como um meio para melhorar a capacidade de concentração e de processamento de informações, além de estimular até o pensamento lógico. Então, que tal aproveitar esse descanso para fazer algo que seja divertido, relaxante e também esteja apresentando novidades ao cérebro? São muitas as atividades de lazer que os estudantes das variadas faixas etárias podem fazer nas férias para contribuir com a própria formação intelectual e socioemocional, ao mesmo tempo que saem dessa linha de tempo de compromissos escolares. Esse período com mais folga de horas permite que os pais e responsáveis também exponham os estudantes às áreas de disciplina com uma abordagem diferente, por exemplo, com idas a museus de ciências, história ou arte, além de estimular habilidades essenciais no século 21, como a resolução de problemas. Veja nossas dicas de atividades de férias que colaboram com a formação dos estudantes: Viagens É muito comum que as famílias façam viagens para locais diferentes durante as férias. Essa pode ser uma oportunidade de estimular o cérebro do filho a criar novas conexões. Nesta ocasião, uma dica é abordar com eles as diferenças culturais do local visitado, caso a viagem seja para outro país ou até outra região do Brasil. E estimulá-los a ter atenção com as novidades do lugar, observando a geografia e história do local ao visitar pontos turísticos. Crie origamis Além de ser um estímulo tátil muito agradável, fazer essa atividade pode ajudar o estudante a desenvolver mais concentração, coordenação motora porque estimula o lóbulo frontal do cérebro, que é a área responsável por funções como planejamento, atenção e resolução de problemas. Faça uma atividade de jardinagem Seja em casa mesmo ou durante as viagens para locais de natureza, essa atividade também é considerada muito valiosa para a saúde mental, ajudando a reduzir o estresse e proporcionando diversas melhorias cognitivas, como foco e atenção. Além disso, é uma ótima oportunidade para desenvolver a paciência, determinação e entendimento quanto aos processos e fases da vida. Sessões de jogos Essas atividades exercitam o cérebro, sejam os videogames, xadrez ou jogos de tabuleiro, como Banco Imobiliário, Clue, War, Academia, Batalha Naval e vários outros. Ao jogar, podem estimular habilidades cognitivas e socioemocionais, como linguagem, tomada de decisão, memória, concentração e raciocínio. Visitas a museus e exposições As visitas aos museus sempre são oportunidades incríveis de aumentar a bagagem intelectual. Em São José dos Campos, há alguns locais muito bacanas para frequentar com os estudantes, como Museu de Arte Sacra, Museu Municipal, Museu do Folclore , Memorial Aeroespacial, Museu do Esporte, etc. Para as famílias que querem aproveitar para fazer uma viagem curta, também é possível frequentar locais muito interessantes em São Paulo, como os museus. Em boa parte deles, há exposições que valem a visita: Museu do Futebol; Museu de Ciências Catavento; Planeta Inseto (Museu Biológico); Museu de Zoologia da USP; Museu da Imaginação; Masp; Museu de Arte Moderna; Pinacoteca; Museu da Língua Portuguesa; Sescs, etc. Outras exposições interessantes para frequentar nas férias: Playmode (Centro Cultural Banco do Brasil), que traz uma abordagem diferenciada para os jogos e até permite que os visitantes joguem também; Mostra internacional “Frida Kahlo – A Vida de um Ícone” (local a ser definido) “Vinicius de Moraes – Por Toda Minha Vida” (Farol Santander). Observatório de Astronomia da Univap O objetivo do local é estimular a curiosidade pelas ciências exatas. O espaço promove eventos gratuitos e regulares de observação do céu, sempre acompanhados de uma palestra sobre um tema astronômico. Miniobservatório Astronômico do Inpe O local permite observações astronômicas a distância, via internet, e também um programa de visitação presencial. A visitação regular é constituída da visualização de astros com telescópio, caso as condições do céu permitam, e quando possível por uma palestra sobre um tema astronômico. Leitura em família Pesquisas revelaram que os estudantes que crescem em famílias que têm mais livros em casa são mais propensos a frequentar a faculdade e passar mais tempo na educação formal, porque são expostos a pensamentos que valorizam o aprendizado. Mas, além disso, a importância da leitura em família é muito grande porque ler em voz alta ajuda no vínculo humano e cultivo de relacionamento porque é uma forma de passar um tempo de qualidade juntos. Aproveite as férias para fazer sessões de leitura em grupo e reforçar esses vínculos, independentemente da idade dos filhos. Faça trilhas Outra dica de atividades interessantes para fazer com os filhos nas férias são as trilhas, que também trabalham aspectos cognitivos. Pesquisas revelam que caminhar traz inúmeros benefícios, como fortalecer a memória, melhorar o sistema circulatório, liberar endorfinas, aumentar a energia do corpo e até melhorar a qualidade do sono. As trilhas permitem esses benefícios físicos e ainda ajudam a desestressar, criar vínculos e descobrir novos locais. Na região, tem vários locais onde podem ser realizadas trilhas em família, tanto em praias como na montanha, algumas até têm cachoeiras em sua rota. Conheça algumas: Trilha do Ouro (São José do Barreiro); Trilha da Pedra da Macela (Cunha); Trilha da Praia do Bonete (Ilhabela); Trilha da Cachoeira do Bracuí (Bananal) Trilha das 7 Praias (Ubatuba); Trilha do Pico dos Marins (Piquete); Trilha do Poço Azul (Lavrinhas). Sempre vale lembrar que é interessante buscar mais informações sobre os lugares, para entender o nível da trilha e os detalhes do percurso, para saber se é compatível com a idade dos filhos, além de não esquecer de levar protetor solar, repelente e usar calçados e roupas adequadas. Dica bônus Procure participar junto com os filhos dessas atividades de férias que colaboram com a formação deles. Será um período de convívio de qualidade, sem a limitação do relógio, que será uma oportunidade para estreitar os laços, colocar as conversas em dia e até descobrir novas preferências e gostos dos seus próprios filhos.

Busca por estímulos constantes

Ajudar os adolescentes a desenvolver a organização é muito importante, porque, nesta fase, essa não é uma prioridade para eles. Na adolescência, eles buscam novidades e aventuras, porque os cérebros deles ainda buscam constantemente por estímulos e novidades.

Essa explicação também ajuda a entender por que eles não desgrudam dos smartphones. Essas ferramentas tecnológicas oferecem uma grande estimulação cerebral,  com as redes sociais,  jogos e bate-papos. Mas, como o córtex pré-frontal ainda está em desenvolvimento, eles não sabem — e nem querem saber– a hora de parar de desgrudar os olhos das telas.

São os adultos que vão dar essas medidas e acrescentar essas informações ao córtex pré-frontal dos adolescentes que, de acordo com o tempo, vão absorver esses ensinamentos sobre ser mais sensato e produtivo em cada atividade praticada.

Além disso, outro ponto importante do desenvolvimento cerebral dos adolescentes é que essa é uma fase de cortar alguns laços, por isso, muitas vezes, os adolescentes se mostram mais distantes com os pais. 

No entanto, neste momento, pais e também educadores precisam ter muito cuidado e atenção, porque um adolescente que está distante, isolado e apresentando baixo rendimento escolar pode estar manifestando quadros depressivos. Por isso, a observação, carinho e diálogo é sempre a medida mais eficaz.

Leia mais:

➡️ Como desenvolver a criatividade em crianças a adolescentes

Atividades que ajudam no desenvolvimento cerebral

É preciso entender esse desenvolvimento do córtex pré-frontal e estimular conexões cerebrais positivas, por exemplo:

No Colégio

  • Fazer os estudantes entenderem as consequências e os cursos que uma determinada ação poderá tomar;
  • Estimular os riscos calculados, que os auxiliem a ter mais autonomia e independência sem medo das tentativas;
  • Promover as habilidades de pensamento;
  • Encorajar o comportamento positivo;
  • Ajudar os adolescentes na prática de habilidades socioemocionais, como  encontrar formas de controlar as emoções e expressá-las de forma criativa, sem agressividade.

Quem tem filhos adolescentes pode perceber que, às vezes, eles têm comportamentos maduros e admiráveis do ponto de vista adulto, e em outros momentos condutas bastante imaturas, impulsivas e até ilógicas. Por que acontece essa alternância de comportamento? Para saber a resposta é preciso entender como funciona o cérebro de um adolescente. Leia mais neste texto. Cérebro adolescente ainda está em desenvolvimento O cérebro de uma criança tem um desenvolvimento muito grande na primeira infância. Esse crescimento começa na gestação, é bastante rápido entre os 3 e 5 anos, e até os 6 anos, já tem cerca de 95% do tamanho do cérebro de um adulto. Até os 9 anos, todos os blocos de construção cerebral estão presentes. Porém, esse desenvolvimento e remodelação continuam no período da adolescência e a maturidade cerebral só vai ocorrer por volta dos 25 anos. Todas as mudanças vão depender das mudanças hormonais, experiências e idade. Na fase da adolescência, o que impera ainda são os conteúdos presentes no sistema límbico, que fica na parte de trás do cérebro, que é importante para a memória (hipocampo) e está próxima da amígdala, que ajuda a produzir as emoções, impulsos, comportamento instintivo e até agressividade. Associada a um típico quadro de baixa dosagem de serotonina e dopamina no organismo, que são neurotransmissores responsáveis por gerar a sensação de bem-estar, os jovens podem apresentar um verdadeiro carrossel de emoções. E quais são essas ações que os estudantes podem ter nessa fase? Eles podem, por exemplo, tomar atitudes impulsivas, escolher atividades de alto risco e expressar suas emoções de forma bastante intensa. Durante a adolescência, isso ocorre porque o córtex pré-frontal ainda está sendo modelado. Essa é a área responsável pelas tomadas de decisão, autocontrole, pensamento crítico, atenção, planejamento, controle de emoções, avaliação das consequências dos impulsos e dos riscos, desenvolvimento da empatia e capacidade de resolução de problemas. Por isso, os adolescentes manifestam comportamentos alternados, porque enquanto contam com o material já presente no sistema límbico, vão adquirindo também bagagem para agir de acordo com o conteúdo que vão acrescentado ao seu córtex pré-frontal, que está em pleno desenvolvimento. Como ajudar o seu filho a construir um cérebro mais saudável? Não adianta apenas entender como funciona o cérebro de um adolescente, é preciso ajudá-lo. A evolução cerebral também será afetada pelo ambiente onde ele está, por isso, é importante que a família e colégio saibam apresentar vivências saudáveis para que eles tenham um desenvolvimento positivo. Oferecer atividades e ajudar no desenvolvimento de suas habilidades vão influenciar fortemente no que eles sentem, pensam e na forma como agem no momento presente e como vão se comportar no futuro. Essa é uma oportunidade de "programar'' o cérebro de forma saudável. Por esse motivo, é importante pensar nas experiências e atividades que serão úteis ao processo, como estudar idiomas, praticar esportes, investir no aprendizado musical e até mesmo jogar videogames. Além disso, os exemplos de condutas de pais, professores e toda a equipe pedagógica também podem deixar heranças no desenvolvimento cerebral de um estudante. Busca por estímulos constantes Ajudar os adolescentes a desenvolver a organização é muito importante, porque, nesta fase, essa não é uma prioridade para eles. Na adolescência, eles buscam novidades e aventuras, porque os cérebros deles ainda buscam constantemente por estímulos e novidades. Essa explicação também ajuda a entender por que eles não desgrudam dos smartphones. Essas ferramentas tecnológicas oferecem uma grande estimulação cerebral, com as redes sociais, jogos e bate-papos. Mas, como o córtex pré-frontal ainda está em desenvolvimento, eles não sabem -- e nem querem saber-- a hora de parar de desgrudar os olhos das telas. São os adultos que vão dar essas medidas e acrescentar essas informações ao córtex pré-frontal dos adolescentes que, de acordo com o tempo, vão absorver esses ensinamentos sobre ser mais sensato e produtivo em cada atividade praticada. Além disso, outro ponto importante do desenvolvimento cerebral dos adolescentes é que essa é uma fase de cortar alguns laços, por isso, muitas vezes, os adolescentes se mostram mais distantes com os pais. No entanto, neste momento, pais e também educadores precisam ter muito cuidado e atenção, porque um adolescente que está distante, isolado e apresentando baixo rendimento escolar pode estar manifestando quadros depressivos. Por isso, a observação, carinho e diálogo é sempre a medida mais eficaz. Atividades que ajudam no desenvolvimento cerebral É preciso entender esse desenvolvimento do córtex pré-frontal e estimular conexões cerebrais positivas, por exemplo: No Colégio Fazer os estudantes entenderem as consequências e os cursos que uma determinada ação poderá tomar; Estimular os riscos calculados, que os auxiliem a ter mais autonomia e independência sem medo das tentativas; Promover as habilidades de pensamento; Encorajar o comportamento positivo; Ajudar os adolescentes na prática de habilidades socioemocionais, como encontrar formas de controlar as emoções e expressá-las de forma criativa, sem agressividade. Em casa É preciso estimular rotinas que os ajudem a ter estrutura e organização, como estipular horários para estudar, se alimentar, se divertir e dormir; Pais devem impor limites, mas também saber flexibilizar quando a situação permitir; Elogiar as conquistas dos filhos; Estimular que os filhos pratiquem atividades físicas, que podem, inclusive, produzir um aumento nos níveis de dopamina serotonina e até evitar quadros depressivos; Ser um exemplo positivo de conduta, que demonstre a importância da maturidade cerebral para os processos da vida. Método pedagógico do Colégio Planck O Colégio Planck estimula conexões cerebrais positivas em seus estudantes com uma metodologia baseada em projetos e no desenvolvimento das habilidades socioemocionais. No Colégio, toda equipe pedagógica entende que essas mudanças neurais são necessárias e muito importantes no desenvolvimento de cada estudante. Por isso, todos estão dispostos a ajudá-los a atravessar esse período de forma mais tranquila e saudável. No Planck, os estudantes são desenvolvidos para ser protagonistas e encontrar suas características especiais, que os fazem únicos e importantes para toda a sociedade. Para isso, além da grade curricular, proporciona experiências que ampliam a bagagem cognitiva, pessoal e cultural dos seus estudantes, com aulas eletivas e diversas atividades extracurriculares que os estimulem ao alto desempenho, mas também a se tornar pessoas diferenciadas no mundo em que vivem, que sejam éticas, relevantes, competentes, autônomas e globais.

Em casa

  • É  preciso estimular rotinas que os ajudem a ter estrutura e organização, como estipular horários para estudar, se alimentar, se divertir e dormir;
  • Pais devem impor limites, mas também saber flexibilizar quando a situação permitir;
  • Elogiar as conquistas dos filhos;
  • Estimular que os filhos pratiquem atividades físicas, que podem, inclusive, produzir um aumento nos níveis de dopamina serotonina e até evitar quadros depressivos;
  • Ser um exemplo positivo de conduta, que demonstre a importância da maturidade cerebral para os processos da vida.

A metodologia baseada em projetos é uma forma eficiente de envolver os estudantes na aprendizagem. Além disso, o Colégio Planck promove a equiparidade de conhecimentos para nivelar todos os estudantes e levar as mesmas oportunidades de alto padrão de ensino a todos.

Método pedagógico do Colégio Planck

Mais do que entender como funciona o cérebro de um adolescente, o Colégio Planck estimula conexões cerebrais positivas em seus estudantes com uma metodologia baseada em projetos e no desenvolvimento das habilidades socioemocionais.

No Colégio, toda equipe pedagógica entende que essas mudanças neurais são necessárias e muito importantes no desenvolvimento de cada estudante. Por isso, todos estão dispostos a ajudá-los a atravessar esse período de forma mais tranquila e saudável.

No Planck, os estudantes são desenvolvidos para ser protagonistas e encontrar suas características especiais, que os fazem únicos e importantes para toda a sociedade. 

Para isso, além da grade curricular, proporciona experiências que ampliam a bagagem cognitiva, pessoal e cultural dos seus estudantes, com aulas eletivas e diversas atividades extracurriculares que os estimulem ao alto desempenho, mas também a se tornar pessoas diferenciadas no mundo em que vivem, que sejam éticas, relevantes, competentes, autônomas e globais.

Leia mais:

➡️ Por que devemos formar mais empreendedores?

➡️ O jeito Planck de ser feliz

Clique e agende uma visita. Matrículas Planck 2024.

Compartilhe:

Compartilhe:

Leia também:

Estudantes concentrados na sala de aula.

Música para estudar é um bom recurso?

Você sabia que música para estudar pode atrapalhar a concentração?  Para que consigam ter um desempenho melhor, e o aprendizado se consolide, os estudantes precisam

Translate »