É possível prova sem fiscal?

Conteúdo

E possível prova sem fiscal

Como parte de sua educação inovadora e humanizada, o Colégio Planck utiliza um método próprio para realização de provas: eliminou a necessidade de fiscal na sala no Ensino Médio.

Essa metodologia caminha ao lado do modelo pedagógico do colégio que tem base na aprendizagem socioemocional e estimula o desenvolvimento de atitudes e habilidades especiais, como manter boas relações sociais; incentiva que os alunos tomem decisões de maneira responsável, além de ajudá-los no controle das emoções e a traçar objetivos.

Com isso,  o objetivo da escola é ver crescer um cidadão ético e responsável para alcançar suas metas.

Provas sem “olheiros”

O Colégio Planck adotou a realização da prova sem fiscal para reforçar todos os valores que são estimulados nos alunos para estabelecer a ampliação de consciência a respeito da ética na vida. 

Mas esse processo da prova sem fiscal não nasceu junto com o Colégio. No começo das atividades, o Planck realizava provas com presença de fiscais em todas as séries. 

E possível prova sem fiscal

No entanto, como o projeto pedagógico do colégio prevê o desenvolvimento de autonomia, responsabilidade e  autocontrole nos alunos, esse caminhar para o protagonismo mais consciente resultou em uma solicitação dos próprios estudantes, à medida que desenvolveram mais maturidade: que as provas fossem realizadas sem a presença de um fiscal.

Atualmente, a composição de notas no Colégio Planck é um resultado da realização de provas e outras atividades como: entregas de tarefas de casa, construção de portfólio, provas e simulados mais focados no vestibular, projetos e etc.

Mas a partir do próximo ano, quando o Ensino Fundamental Anos Finais for inaugurado no Colégio, o 9º ano também será contemplado por essa metodologia.

Porém, as provas com a presença do professor ainda serão práticas curriculares entre o 6º e o 8º anos. E possivel prova sem fiscal

Confiança é a chave para sucesso do método

Com a base nessa experiência já vivida pelos diretores do Planck, André Guadalupe e Humberto Malanga, que foram alunos do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), uma das instituições de ensino superior mais renomadas no mundo inteiro e que adota a prova sem fiscal, os próprios alunos do Colégio desenharam as regras para organizar a realização das provas sem fiscalização, que ocorrem sempre no contraturno de suas aulas curriculares.

Para isso, cada detalhe foi pensado: desde a ocorrência de um aluno precisar ir ao toalete ou mesmo se mais de um estudante solicitasse uma saída da sala para beber água.

Porém, para que essa nova forma de testar o conhecimento retido pelo aluno desse certo, também foi arquitetada uma nova estratégia para criar as provas, dando ênfase ao pensamento mais analítico dos estudantes e menos imediatista do que o método de respostas iguais para todos.

Para o Planck, a confiança faz parte de cada processo, inclusive dessa realização de prova sem fiscal. Outro exemplo é que no Colégio não existem portas trancadas, todos os ambientes são permitidos aos alunos.

Essa filosofia é adotada em outras iniciativas também, como a dos livros que ficam em estandes espalhados pelo colégio. O aluno pega o volume que quiser, lê e quando terminar devolve para o colégio, sem qualquer necessidade de registro. Essa é outra maneira de trabalhar valores como respeito e senso de coletividade.

Com todos os bons valores sendo reforçados a cada procedimento do colégio, o que percebe-se é que o índice de uso de gabaritos de outros na prova sem fiscal é muito baixo.

Mas isso não significa que o Colégio fica alheio a práticas não éticas. Conforme o Guia do Estudante do Planck, que é de conhecimento de pais e alunos, o aluno que for pego colando ou mesmo se confessar o ato, estará sujeito às condutas especificadas no guia referente aquela avaliação. Essa é outra medida para reforçar que os atos precisam ser responsáveis e bem pensados.

E possível prova sem fiscal

Como treinar os alunos para o momento dos vestibulares?

No terceiro ano, os alunos são treinados a vivenciarem as mesmas condições dos vestibulares, onde há a presença de fiscais.

Além disso, esses estudantes também acabam tendo uma responsabilidade maior com a realização dos simulados, porque essas provas também foram convertidas em um meio de composição de nota no último ano do Ensino Médio.

Para a coordenação pedagógica,  esse é um processo constante de aprendizado porque a autorregulação  pode ser mais difícil para o aluno do que estar vigiado, especialmente quando se depara pela primeira vez com essa metodologia. 

Por isso, no cotidiano do Planck,  todos passam a ter uma cultura de confiança  mútua, de trocas e de reciprocidade, que traz um benefício que  pode ser visto no diferencial dos alunos, que ganham muito pela busca de serem melhores dentro desse desenvolvimento de autonomia. Mas não são só eles que ganham, o Colégio também é generosamente retribuído com os resultados obtidos por seus alunos.

Prof. André Guadalupe
Diretor e Cofundador do Colégio Planck

Leia também: Escola: espaço de promoção de saúde

Compartilhe:

Leia também:

O Colégio Planck realizou a primeira edição do evento Summit Planck de Startup & Empreendedorismo na segunda semana do mês de novembro. No evento, foram abordados os desafios e conquistas do ano e apresentados os projetos idealizados e executados durante o período inicial presencial, em março, em em Planck Home School. Com a volta das aulas presenciais em outubro, os estudantes puderam apresentar in loco o fruto desse trabalho realizado com todos isolados em suas casas, mas unidos em suas mentes. Além disso, houve também palestra dos cases de sucesso do empresário Oscar Constantino e do executivo da Arco Educação, Bruno Veras. Abertura de evento relembra o desafio de 2020 No início do evento, o professor André Guadalupe, mentor e idealizador do projeto relembrou o desafio que chegou ao Planck após a recente inauguração do prédio novo, 70% de estudantes novos e apenas 6 semanas do início das aulas: a decretação da pandemia e a consequente suspensão posterior das aulas. Então, todos foram convidados a ir para o Planck Home School, inclusive os 17 estudantes inscritos na disciplina eletiva Startup & Empreendedorismo, que tinha contado com apenas duas aulas presenciais.  Cap da disciplina, quando essa situação ocorreu, o professor André Guadalupe revelou que não sabia exatamente como seria o desenrolar das atividades, mas sabia que essa seria, com certeza, a oportunidade de criar algo novo e diferente. Todos os inscritos se comprometeram a dar o que havia de melhor em si. O professor contou a todos os presentes no evento que os estudantes dedicaram-se e continuam a se dedicar de forma intensa às primeiras empresas de suas vidas, até mesmo nas férias. Nessa abertura,  André Guadalupe falou um pouco do que é mais importante para empreender: ter um bom propósito.  Ao  ter um significado maior para empreender, quando se entende o porquê do que está fazendo é muito mais fácil abraçar a causa e realizar o que é preciso no tempo necessário, mesmo que aconteçam erros, que serão corrigidos após a colheita dos resultados das experiências. Os ajustes precisam acontecer quantas vezes forem necessárias para chegar a um resultado de sucesso. Quais são as principais características de uma boa liderança? No evento, o professor André falou sobre parte do que é abordado na disciplina Startup & Empreendedorismo, que busca estimular o protagonismo dos estudantes com uma postura empreendedora. Para isso, revelou a importância de a empresa ter Missão, Visão e Valores, junto com o propósito que ela carrega. Citou como exemplo o próprio Colégio Planck, que está sempre em busca de trabalhar com processos, indicadores e metas que são perseguidas, além de uma constante cultura de inovação.  Para uma empresa bem-sucedida, também é necessária uma boa liderança que inclui características como serenidade para lidar com as crises, boa comunicação (isso também inclui saber ouvir), foco (saber priorizar), disciplina e capacidade de execução. Essa boa liderança também casa com as características que se busca no alumni Planck, que estão registradas nas paredes do prédio e norteiam os processos de decisão de todos os projetos pedagógicos implementados pelo colégio: ser ético, relevante, competente, autônomo e global. Na disciplina, os estudantes são estimulados a decidirem o que fazer e assumirem os riscos de suas decisões. Além disso, é incentivado que eles busquem solução de problemas, empatia, aprendizado significativo, alto desempenho, trabalho em equipe e nunca parar de aprender. Disciplina Startup e Empreendedorismo Para aprender a ter essa postura empreendedora os estudantes ampliaram os estudos, conheceram novas ferramentas, aprenderam sobre modelagem de negócios e a criar um plano de negócios para estruturar uma empresa. Os estudantes empreendedores também conheceram ferramentas e metodologias para gestão das empresas, aprenderam sobre CANVAS, SWOT, fluxo de caixa, entender funil de vendas, marketing digital, métricas SaaS, design thinking e MVP. Paralelamente, leram obras essenciais e algumas biografias de empreendedores importantes, como Elon Musk e Sam Walton, e viram alguns filmes que traziam trajetórias de sucesso. No evento, o professor André anunciou que todo esse potencial dos estudantes do Colégio será conhecido também no evento The Master, de Oxford, que é uma competição empresarial internacional para estudantes de 16 a 18 anos do Ensino Médio, para o qual o Colégio Planck foi convidado. A viagem  para Londres será em julho de 2021. Estudantes apresentam projetos para jurados No Summit foram apresentados aos jurados e público presente, as 5 startups criadas pelos estudantes (Idog, Protagonus, ISLA, Next e Ensinu). Eles tiveram alguns minutos para realizar o seu pitch e ouvir considerações dos jurados que estavam presencialmente e de forma remota no evento. O corpo de jurados foi composto por profissionais de empresas do setor de Educação, Indústria, Gestão Empresarial e Pública, Inovação, Comércio, Serviços: Prof. Ademar Celedônio (Diretor do SAS), Alexandre Barros (Diretor da Nexus), Álvaro Cruz (VP da Positivo Tecnologia), Eng. Antonio Catter, Bruno Veras (Diretor da ARCO Educação), Jeremias Rodrigues (Setor Imobiliário), Kiko Sawaya (Presidente do Desenvolve Vale), Luís Paulo Loreti (Co-fundador da Co-work), Olaviano Pereira Neto (Diretor da Startup São José - Casa do Café da PMSJC), Oscar Constantino (Presidente do Grupo Oscar Calçados), Rodrigo Sanchez (Co-fundador e Diretor de Mkt da GS2) e Wagner Luis de Souza (Presidente do Grupo Century e ValeSul Shopping) que infelizmente não pode estar presente ao evento, mas acompanhou integralmente a transmissão. Startups Idog É uma startup de manipulação e delivery de ração para pets.  A proposta é oferecer rações 100% naturais e livres de conservantes químicos, que serão entregues na casa do cliente. Protagonus Startup que atua com o complemento do ensino tradicional para preparar o jovem para o mercado de trabalho, com cursos de inteligência emocional, educação financeira, oratória, liderança, nutrição e programação. Isla Hotel Plataforma que vai permitir digitalização de dados pessoais para realizar cadastros fáceis de forma intuitiva e rápida, evitando filas de check-in e outros problemas. Next Cargo Serviço de transporte de bagagens quer oferecer conforto, praticidade e rapidez para realizar a locomoção das malas para o lugar onde for preciso. Ensinu Experiência digital para o ensino com a criação de  um aplicativo personalizado para escolas criando mais conectividade e relacionamento entre estudantes, pais e professores. Premiação Antes da apresentação dos resultados, o professor André Guadalupe ressaltou que todos foram vencedores, pelo trabalho que fizeram e pela superação de alguns estudantes, que enfrentaram a própria timidez e tiveram coragem de subir ao palco e falar para o público presente pelos jurados, time de liderança pedagógica e administrativa do Colégio Planck, professores e seus pais. Ao final, o resultado da escolha dos grupos determinou as colocações no Summit: Isla (1º lugar), Ensinu (2º lugar), Protagonus (3º lugar), Idog (4ºo lugar) e Next Cargo (5º lugar). As premiações foram cuidadosamente desenhadas para oferecer aos alunos experiências que o dinheiro não pode comprar. O prêmio para o primeiro e o segundo colocados foi uma imersão de 2 dias na sede da Plataforma de Ensino SAS em Fortaleza (CE), para conhecer os setores de Inovação, Atendimento ao Cliente, Produção Editorial e Logística. Os três primeiros colocados também vão passar um dia visitando a sede do Google em São Paulo e o Google Startup. Para as cinco startups, haverá uma imersão na sede da Arco em São Paulo, onde os grupos vão receber uma mentoria, e visitar os escritórios de negócios do Arco Educação, Nave a Vela, Pleno, SAS e Criação de Valor da unicornio Arco. O Hub de Inovação  Nexus, a Aceleradora São José Startup, a agência GS2 MKT,  a HUB Educacional e Indústria de Tecnologia Positivo também vão oferecer oportunidades de mentoria e acompanhamento para os estudantes. Ao final, houve a cerimônia de premiação e um coquetel de encerramento. Pais, professores e participantes ficaram muito emocionados com o grande potencial desses estudantes que estão na faixa de 15 anos. A grandiosidade do trabalho feito para o Summit só revela que eles podem voar muito mais alto em seus futuros.

Summit Planck 2020

O Colégio Planck realizou a primeira edição do evento Summit Planck de Startup & Empreendedorismo na segunda semana do mês de novembro. No evento, foram

Translate »