Como promover um vestibular sem desgaste psicológico?

Conteúdo

Será que é possível vivenciar o período pré-vestibular sem desgaste psicológico. Veja quais são as dicas do Planck para ter menos estresse.

Um estudo do Programa de Avaliação Internacional de Estudante (PISA) revelou que os estudantes brasileiros são os que demonstram o maior nível de ansiedade no período pré-vestibular. Mas será que é possível vivenciar esse processo sem estresse? 

Vamos conhecer qual é a postura do Planck em relação a esse importante momento na vida de um jovem.

Por que os jovens ficam tão estressados no período pré-vestibular?

Ansiedade e estresse são estados emocionais que muitos jovens vivenciam na etapa pré-vestibular e têm a ver com dois fatores: a tomada da primeira decisão adulta da vida e o formato do processo seletivo brasileiro.

Quando o adolescente entra no terceiro ano do Ensino Médio ou ingressa no cursinho Pré-Vestibular, percebe que um período da sua vida se encerrou. Agora não se trata apenas de “estudar” para para ser aprovado para o próximo ano letivo.

Quando o jovem entra na etapa pré-vestibular, intensificada na 3ª série do Ensino Médio, precisa decidir sozinho qual é a carreira que quer seguir, a universidade onde quer estudar, a nova cidade que vai morar, a saída de casa, o desejo de agradar aos pais e acertar na escolha.

Se for considerado o turbilhão emocional dentro desse jovem, com tantas decisões a tomar de forma inédita e um futuro desconhecido pela frente, a angústia natural do período pode ser explicada.

Será que é possível vivenciar o período pré-vestibular sem desgaste psicológico. Veja quais são as dicas do Planck para ter menos estresse.

Processo Seletivo no Brasil

Somado ao pacote de indecisões e incertezas envolvidas no período, existe o processo seletivo do vestibular brasileiro, que exige uma quantidade muito grande de informações em 4 áreas de conhecimento. 

Além do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), outros vestibulares também exigem um leque de conhecimentos sobre o que está ocorrendo no próprio país e no mundo.

A absorção desses  conhecimentos será avaliada em uma prova, quando tudo é decidido. Esse formato exige o máximo de atenção e equilíbrio emocional do aluno para esse momento.

Já em países como os Estados Unidos, onde é realizado o SAT (Scholastic Aptitude Test), que equivale ao ENEM brasileiro, a prova pode ser realizada em vários períodos do ano. Se o jovem não for bem no primeiro momento, pode fazer outras tentativas. Além disso, tanto nos EUA, como Canadá e países europeus, o histórico do jovem também vai contar na soma de suas qualificações.

Para entender melhor, vale pensar nesses exemplos: 

◾ No Exterior, se o  jovem pretende fazer Matemática, as suas outras atividades relacionadas à disciplina serão contadas, como a participação em uma Olimpíada de Matemática;

Se o estudante quer ingressar em uma Faculdade de Música, o fato de ter frequentado um Conservatório Musical também será levado em consideração no seu processo seletivo.

Então, na cabeça do estudante brasileiro já tem muita autocobrança em absorver e compreender as matérias, preocupação com a concorrência de uma boa universidade e até mesmo com a disputa não só pelas vagas mas também pelas bolsas.

Leia mais:

➡️ É possível prova sem fiscal?

➡️ Planck Global Guidance: um programa como você nunca viu nas escolas

Alunos da 3ª série e do Cursinho podem ser ajudados com muito apoio

A época pré-vestibular pode realmente ser muito difícil na vida de um jovem. Normalmente, ninguém esquece esse tempo, as lembranças futuras passam pela exigência da carga horária de estudos, pelos amigos que fez e até pelos professores mais bacanas, que podem ter sido marcantes no período.

Porém, embora haja uma carga emocional forte, o aluno precisa ter consciência que a dedicação e o esforço podem determinar o seu sucesso, mas não é preciso ser um sinônimo de sofrimento.

Para tanto, o papel dos profissionais do Colégio e do Cursinho é dar apoio a esse aluno, ficando atentos às necessidades deles nesse período. E essa postura acaba sendo muito mais plausível quando as salas são menores e vão possibilitar a atenção um a um. Será que é possível vivenciar o período pré-vestibular sem desgaste psicológico. Veja quais são as dicas do Planck para ter menos estresse.

O coordenador pedagógico deve orientá-lo nesse processo, sendo um bom ouvinte e esclarecendo diversos tópicos pertinentes ao período, como as melhores faculdades de acordo com o perfil do aluno.

Sendo um especialista em dar essas opções, esses orientadores vão abrir mais o leque de alternativas ao estudante e fazer que a decisão dele seja mais assertiva.

No Planck são dois momentos: 

◾ No Colégio, a metodologia pedagógica é deixar o aluno mais pronto possível, mais fortalecido, autônomo e sereno;

No Cursinho, como são alunos que vêm de outras metodologias, o cuidado é prepará-los ao máximo para a prova, em um ritmo revisional, com um olhar mais atento da Coordenação Pedagógica. Além disso, em salas premium, com menor quantidade de alunos, o Planck vai gerar uma maior aproximação entre alunos e professores.

Esse suporte emocional costuma gerar mais leveza e minimizar a ansiedade da fase pré-vestibular.

Fique ligado nessas dicas

Para uma fase pré-vestibular mais tranquila do ponto de vista emocional, o Planck revela algumas dicas importantes:

Fazer simulados

◾ Já foi comprovado que simular a situação real que aquele estudante vai passar no vestibular gera mais segurança nos resultados e oportunidades de mudanças no processo de estudo, caso necessário. Essa frequência de simulados pode gerar mais calma no aluno.

Praticar alguma atividade física

◾ É importante que os alunos façam algum tipo de atividade física, pelo menos 2 a 3 vezes por semana, por cerca de 45 minutos, para esvaziar um pouco a mente, relaxar o corpo e se centrar para os estudos;

O importante é que a atividade gere prazer no aluno: pode ser uma caminhada sozinho ou com o seu pet, ioga, natação, pilates, etc. O segredo é se sentir bem.

Manter diálogo com a coordenação

◾ Chegar ao dia do vestibular com equilíbrio emocional faz toda a diferença. Por isso, desde a primeira semana de aula, o coordenador pedagógico é a pessoa indicada para dar o maior número de opções aos jovens e ouvi-lo em seus receios da etapa pré-vestibular;

◾ O coordenador pedagógico vai mapear a turma e entender quais os desejos e sonhos, vai promover uma escuta ativa e honesta, estar disponível e realizar um atendimento recorrente efetivo;

◾ Então, se o aluno mostra qual é a sua “dor”, a coordenação poderá ajudá-lo a enfrentar seus medos logo no início. Dúvidas sobre a escolha da carreira, da universidade e até mesmo de não dar conta do processo são comuns e poderão ser minimizadas com mais diálogo.

Será que é possível vivenciar o período pré-vestibular sem desgaste psicológico. Veja quais são as dicas do Planck para ter menos estresse.

E qual é o papel dos professores?

O professor é um suporte fundamental do pré-vestibulando. Acima de tudo, precisa ter excelente conhecimento da disciplina, do vestibular e estimular o aluno da forma correta.

Além disso, esse profissional carrega uma responsabilidade imensa, portanto, precisa ter seriedade neste compromisso.

Isso não significa que ele não possa ser agradável, alegre, simpático, leve e descontraído. Mas não é aconselhável que seja caricato para cumprir esse dever.

Sua função, é transmitir assuntos complexos da forma que seja mais simples e inteligível para o estudante, porque a didática, tanto do professor do Colégio, como do professor do Cursinho, é fundamental para o resultado desse aluno.

Será que é possível vivenciar o período pré-vestibular sem desgaste psicológico. Veja quais são as dicas do Planck para ter menos estresse.

#Dica premium

O aluno deve esclarecer todas as suas dúvidas com o professor, especialmente depois de um simulado. É preciso entender o que acertou e o que errou, para buscar melhorar no próximo simulado. Essa atitude pode gerar mais tranquilidade quando for realizar os vestibulares.

Para reforçar

O Planck tenta minimizar ao máximo o estresse e ansiedade dos alunos, fazendo simulados constantes de todos os processo seletivos importantes, tendo a orientação pedagógica muito atenta ao aluno e um ambiente mais íntimo na sala, que permite que o aluno interaja com o professor, tire todas as dúvidas, enquanto o próprio professor também seja capaz de identificar se a aula ministrada foi 100% absorvida.

A partir disso, muito calma nessa hora, porque com todos esses aspectos, esse aluno já estará preparado.

Prof. André Guadalupe
Diretor e Cofundador do Colégio Planck

 

 

Compartilhe:

Leia também:

Dicas para exercitar a memória são muito importantes para ajudar os estudantes a guardar uma imensa quantidade de informações que são parte da grade curricular de cada fase. Veja nesse texto alguns truques que vão auxiliar a reter melhor os conteúdos recebidos. Como o cérebro e a memória funcionam? A Ciência já demonstrou que o desenvolvimento cerebral das crianças e adolescentes é realizado em etapas. Na primeira infância, está mais desenvolvido o sistema límbico, que é responsável pelas emoções e impulsos, e o hipocampo, que atua na memória, que é formada pelas conexões entre as células nervosas e os neurônios, e permite armazenar informações e recuperá-las sempre que necessário para todos os processos da vida. Só com o passar da idade é que o córtex pré-frontal vai se desenvolvendo e apresentando melhores condições para possibilitar o controle das emoções, organização, planejamento, pensamento crítico, atenção, etc. Esse desenvolvimento vai ocorrer até os 25 anos. Com aproximadamente 86 bilhões de estruturas que vão captar, repassar, guardar e resgatar, o cérebro funciona como um arquivo gigantesco de informações. No entanto, o cérebro também tem um importante recurso de economia de energia e potencialização do seu uso: ele desliga áreas que não estão sendo devidamente usadas. Por isso, quanto mais estímulo a pessoa dá a uma determinada área cerebral, mais ativa ela fica, isso inclui a memória. Portanto, conhecer algumas dicas para exercitar a memória é muito importante em todas as fases da vida, inclusive, na escolar, quando os estudantes estão mergulhados em conhecimentos das diversas disciplinas, e precisam entendê-los, retê-los e recuperá-los para as provas, simulados ou exames de vestibular. Tipos de memórias Além das informações retidas relativas à temporalidade (curto e longo prazo) e a memória sensorial, que está relacionada com associação aos estímulos recebidos pelos nossos 5 sentidos, que é citada na obra “Em Busca do Tempo Perdido”, de Marcel Proust, a memória também está dividida em tipos que vão captar determinadas nuances das informações, de forma a classificar e processar as informações: Memória episódica: de longa duração, é a lembrança de acontecimentos específicos, como a refeição do dia anterior ou a recordação de outros momentos vividos no passado. Memória semântica: é o armazenamento de informações relativas ao mundo, como o significado das palavras ou datas de acontecimentos. Memória processual: também é de longa duração da memória, são aqueles conteúdos que aprendemos e nunca esquecemos, como andar de bicicleta. As fases da memória A memória de uma pessoa começa a atuar já no despertar de seu relógio biológico, quando o cérebro envia substâncias, como a adrenalina, para que ela tenha mais foco e concentração em suas tarefas na fase beta (enquanto está acordada). Esse relógio biológico vai indicar que é hora de estudar, trabalhar, se alimentar ou praticar atividades físicas. Essa memória aciona todo um ciclo de funções corporais que vão ocorrer ao longo do dia até que chegue o período noturno. Neste momento, começa a diminuir a adrenalina e o cortisol no organismo, acionando outras substâncias, como a melatonina, que indicam que é a hora do corpo repousar. Dentro desse processo corporal, a memória também terá as suas fases: Memorização Nesta fase, é necessária atenção, um estado de alerta total, para que a pessoa consiga memorizar as informações. Compreensão O estado de atenção também vai favorecer que a pessoa faça conexões para proporcionar um melhor entendimento da informação recebida. Assim, será mais fácil memorizar. Armazenamento Quando a pessoa entende o significado daquela informação, o conteúdo será retido no cérebro. Recuperação O cérebro organiza as informações de acordo com sua hierarquização. São as lembranças, que podem vir à tona a partir de estímulos diversos, como um som, um cheiro ou outras dicas que podem dar pistas daquela informação. Conheça dicas para exercitar a memória É certo que o cérebro funciona como um poderoso computador que faz milhões de conexões e ajuda no funcionamento corporal. Porém, às vezes, parece que a memória dele falha, e nem todos os conteúdos são rememorados com facilidade. Onde foi parar todas aquelas informações das aulas de matemática e biologia do dia anterior? E quem eram mesmo aqueles personagens do livro que você leu e foi indicado para o vestibular? Essa “perda” das informações também é comum para o cérebro, por isso, as dicas para exercitar a memória são importantes para fazer uma “atualização” do nosso sistema interno. Para consolidar a memória é sempre necessário um treino do que foi aprendido, para que o conteúdo não caia na memória de curto prazo. Treinar o cérebro constantemente vai ajudar a evitar essas falhas em sua memória, é como se fosse uma espécie de ginástica cerebral. Conheça alguns truques para treinar a sua memória, alguns desses são dicas que estão no livro “Técnicas de Estudo para Adolescentes”, de Antonio Gonzáles (Editora Vozes): Ative sua memória Abra mão de certos facilitadores, como agendas de celular ou blocos de notas, e tente sempre memorizar números de telefone, senhas, listas, datas ou lembretes de eventos. Associe informações com imagens Muitos estudantes são mais visuais e precisam associar os conteúdos a imagens ou símbolos para facilitar a memorização. Faça cálculos mentais Ao longo do dia faça operações aritméticas simples, somando as placas dos veículos, números de telefones em placas ou os números dos prédios e casas onde passar. Dê atenção aos detalhes Quando damos atenção a um assunto atribuímos importância a ele. Então, foque no tema, capture os detalhes e assim a memorização será facilitada. Invista em jogos de memorização Fazer quebra-cabeças ou jogos de memória vão ajudar muito nessa ginástica cerebral. As pessoas também podem investir em palavras cruzadas, Sudoku, dominó ou até jogos de cartas. Além disso, jogar xadrez é um importante recurso para trabalhar o cérebro. Leia e repita as citações Outra dica para exercitar a memória é a leitura porque essa é uma atividade que vai ajudar a trabalhar diversas áreas cerebrais. Além disso, repetir as frases e citações de personagens históricos também é uma excelente forma de trabalhar a memória. Anote esses enunciados e trechos de obras e repita o quanto puder. Aliás, falar em voz alta para si mesmo vale para lembrar de qualquer coisa, até mesmo para lembrar onde colocou a chave de casa. Procure lembrar os detalhes do dia Quando for deitar, antes de dormir, faça uma revisão de tudo o que aconteceu no dia, tentando lembrar alguns detalhes desde o momento que acordou, como suas roupas, o que comeu, onde foi, quem encontrou ou algum outro aspecto interessante. Conclusão É importante lembrar que a emoção está ligada à formação de novas memórias, portanto, investir em processos lúdicos e divertidos, que acionam produção e interação de hormônios do bem-estar, que paralelamente intensificam a comunicação entre neurônios, também vai dar o devido estímulo cerebral aos adolescentes para consolidação da memória.

Dicas para exercitar a memória

Dicas para exercitar a memória são muito importantes para ajudar os estudantes a guardar uma imensa quantidade de informações que são parte da grade curricular

Translate »