O estudante do 9º ano é preparado para um passo de mais maturidade

Conteúdo

As férias escolares podem ser uma ótima oportunidade para as crianças descansarem e recarregarem as energias após um período intenso de estudos. É importante que elas tenham tempo livre para brincar, relaxar e se divertir.

O 9º ano do Ensino Fundamental Anos Finais é uma época de mudanças para os estudantes, quando estão a um passo de ultrapassar a fronteira que vai direcioná-los ao Ensino Médio, no qual a dinâmica de estudos e objetivos são bastante diferentes do Ensino Fundamental Anos Finais.

No Colégio Planck, entenda como os estudantes são preparados para essa nova fase que exige mais autonomia e maturidade.

Estudantes entram em um novo estágio pessoal e acadêmico

No Brasil, o Ensino Fundamental Anos Finais compreende do 6º ao 9º ano, com estudantes que, em geral, têm de 11 anos a 14 anos.

A passagem do Ensino Fundamental Anos Iniciais para os Anos Finais exige novos desafios, mas no 9º ano o estudante também será preparado para um nível a mais de autonomia e responsabilidade em sua vida acadêmica para seguir para o Ensino Médio.

Além de começar a pensar na nova dinâmica de estudo do Ensino Médio, as  disciplinas e até nos novos amigos, no caso de uma mudança de instituição, existem outros processos que começam a surgir no horizonte para um estudante do 9º ano. 

O design thinking é uma abordagem que vem sendo cada vez mais utilizada como ferramenta pedagógica porque estimula um processo criativo mais humanizado, profundo e completo. Entenda como esse estímulo à criatividade é uma ferramenta pedagógica do Colégio Planck. O que é o design thinking? O conceito do design thinking surgiu em 1970, a partir da publicação do livro “Experiences in Visual Thinking”, do professor de Engenharia da Universidade Stanford, Robert H. McKim, mas ganhou força na década de 1990, a partir da atuação dos designers do Vale do Silício, David Kelley e Tim Brown, da IDEO, uma empresa internacional de design e consultoria em inovação. A abordagem serve tanto para criação e melhoria de produtos e serviços, quanto na Educação, porque prevê a resolução de situações-problema ou necessidades de inovação. A ideia consiste em proporcionar um olhar mais humano e entender as dores das pessoas a partir de três bases: Colaboração: prevê a união de várias pessoas em torno da busca de soluções inovadoras, assim, os estudantes, com suas diferentes visões, podem trazer ideias mais ricas para o mesmo desafio; Empatia: desenvolver a busca por se colocar no lugar do outro para entender suas necessidades e ter ampla compreensão dos seus problemas; Experimentação: pressupõe experimentar ideias que ainda não foram testadas, permitindo a abertura de novos caminhos. É literalmente aprender fazendo. Como funciona o design thinking na Educação? Esse conceito se insere nas metodologias ativas de ensino, que são estratégias desenvolvidas para que o estudante aprenda de uma forma mais autônoma e participativa. Essa abordagem também está dentro dos princípios da BNCC (Base Nacional Comum Curricular), que incentiva um currículo que estimule o pensamento analítico e crítico, a partir da aprendizagem socioemocional. O design thinking na escola adota o processo de aprendizagem investigativa e segue um processo bem estruturado, trabalhando com uma mudança no modelo mental, que estimula um raciocínio mais visual, baseado no ver, imaginar e desenhar soluções. Os estudantes vão refletir, usar a criatividade e investigar para encontrar novas alternativas. Segundo o site do IDEO, salas de aula em todo o mundo enfrentam desafios que exigem novas perspectivas, ferramentas e abordagens. Essa abordagem vai ajudar não só na criação, mas na estruturação e validação das ideias. É uma proposta otimista por si só porque incentiva as mudanças e elaboração de propostas diferentes, independentemente de barreiras. Quando o estudante entra em contato com o design thinking na escola, tem a oportunidade de ter uma percepção real dos problemas, mas trabalhando para solucioná-los de uma forma mais lúdica e inovadora. Etapas do design thinking Nesse processo de reflexão e investigação, os estudantes vão percorrer algumas etapas: Descobrimento Essa primeira etapa é descobrir qual é o desafio e pensar na melhor forma de abordá-lo. Nessa etapa, o ideal é fazer uma imersão no desafio, pesquisar e vivenciar o problema para estimular a empatia. Ouvir todas as partes e contextualizar a situação-problema ou a necessidade de inovação. Interpretação A segunda etapa é interpretar o que esse desafio representa e organizar todas as informações que foram obtidas na etapa de descoberta, para analisar e sintetizar de forma clara para que o problema ou necessidade seja compreendido. Ideação É o momento que as ideias devem ser manifestadas sem censura, discutindo abertamente todas as soluções propostas. Essas ideias podem ser estimuladas por meio de perguntas mais fechadas e diretas. Nesse momento podem ser realizadas reuniões de brainstorming, realização de workshops, uso de mapas mentais, etc. Experimentação Depois da reunião de ideação é necessário escolher as ideias viáveis ou a ideia mais promissora e criar um protótipo para experimentação. Evolução de soluções Nesta etapa, após as ideias serem implementadas, a pergunta é se há algo que seja passível de aprimoramento. Houve alguma falha, é possível aperfeiçoar o processo? Como o Planck atua com o design thinking? O design thinking pode ser utilizado de várias maneiras dentro da escola. No Colégio, essa abordagem está inserida, principalmente, no Laboratório de Soluções Design Maker. No Laboratório de Soluções, os estudantes são estimulados a criar, construir e a trabalhar de forma colaborativa com a abordagem do design thinking e as habilidades de engenharia na construção de soluções. Todas as bases do design thinking são utilizadas no processo criativo, como o desenvolvimento da empatia para encontrar soluções para os problemas da comunidade. As turmas elaboram projetos por módulos, explorando diferentes conhecimentos, a partir de macrotemas. Os conteúdos acadêmicos são contemplados na criação de artefatos que sejam necessários ao projeto. Conclusão Um dos grandes méritos do design thinking é produzir soluções que gerem novos significados, a partir de uma humanização do olhar. Além disso, todo o processo criativo estimulado pela design thinking também propicia o desenvolvimento das competências e habilidades socioemocionais, que é um dos pilares do Colégio Planck. Quando o estudante trabalha com o design thinking, são desenvolvidos empatia, respeito, criatividade, pensamento crítico e analítico, autonomia, foco, organização, resiliência, curiosidade, assertividade, persistência e entusiasmo, entre tantas outras competências que serão fundamentais em sua vida pessoal e profissional no futuro.

Por isso, é muito importante que as instituições escolares preparem esses estudantes para essa transição, desenvolvendo algumas estratégias que vão ajudá-los a esclarecer dúvidas sobre o novo processo acadêmico que irão vivenciar no Ensino Médio, apresentar a eles as mudanças que irão ocorrer no currículo, bem como prepará-los para uma nova dinâmica de estudo, que vai exigir muito mais autonomia e organização.

Nesse momento, os estudantes devem ser estimulados a ter mais independência em suas decisões e ter mais oportunidades de cultivar os seus sonhos.

Leia também:

➡️ Neurociência: como funciona o cérebro de um adolescente?

Como é o 9º ano do Ensino Fundamental Anos Finais no Planck?

No Colégio Planck, que é uma instituição que estimula o alto desempenho, ocorre também uma acolhida individualizada e um olhar especial para a performance desse estudante, no sentido de estimulá-lo a atingir suas novas metas, porque essa é a hora de começar a pensar em uma carreira e planejar objetivos e sonhos.

Nesse momento, os estudantes passam a entender ainda mais a importância de ser protagonista e ter habilidades socioemocionais que os destacarão no futuro, como a criatividade, colaboração, empatia e inteligência emocional, que são essenciais para o mercado de trabalho.

Além disso, há também um estímulo à cultura da amizade e dos laços, por meio da convivência, que permite uma maior consciência sobre as diferenças dos outros estudantes e do que eles podem somar ao próprio processo pessoal.

Para estimulá-los ao desenvolvimento dessas habilidades neste período, os estudantes contam com projetos especiais como a Academia Sherlock, que é uma metodologia ativa que trabalha o estudo de casos; e o Laboratório de Soluções, que os ensina a desenvolver soluções para demandas da sociedade em parceria com os professores.

O Clube de Debates é mais um projeto especial para fortalecer as habilidades do estudante do 9º ano, para que eles possam trabalhar a oratória e retórica. 

Além disso, há todo um acompanhamento de forma individualizada das expectativas, potencialidades e fragilidades desses estudantes  por meio da Orientação Educacional, que incentiva um crescimento deles como um todo, tanto no aspecto emocional como no acadêmico.

O 9º ano é uma época de mudanças para os estudantes, quando estão a um passo de ultrapassar a fronteira que vai direcioná-los ao Ensino Médio, no qual a dinâmica de estudos e objetivos são bastante diferentes do Ensino Fundamental Anos Finais. No Colégio Planck, entenda como os estudantes são preparados para essa nova fase que exige mais autonomia e maturidade. Estudantes entram em um novo estágio pessoal e acadêmico No Brasil, o Ensino Fundamental Anos Finais compreende do 6º ao 9º ano, com estudantes que, em geral, têm de 11 anos a 14 anos. A passagem do Ensino Fundamental Anos Iniciais para os Anos Finais exige novos desafios, mas no 9º ano o estudante também será preparado para um nível a mais de autonomia e responsabilidade em sua vida acadêmica para seguir para o Ensino Médio. Além de começar a pensar na nova dinâmica de estudo do Ensino Médio, as disciplinas e até nos novos amigos, no caso de uma mudança de instituição, existem outros processos que começam a surgir no horizonte para um estudante do 9º ano. Por isso, é muito importante que as instituições escolares preparem esses estudantes para essa transição, desenvolvendo algumas estratégias que vão ajudá-los a esclarecer dúvidas sobre o novo processo acadêmico que irão vivenciar no Ensino Médio, apresentar a eles as mudanças que irão ocorrer no currículo, bem como prepará-los para uma nova dinâmica de estudo, que vai exigir muito mais autonomia e organização. Nesse momento, os estudantes devem ser estimulados a ter mais independência em suas decisões e ter mais oportunidades de cultivar os seus sonhos. Como é o 9º ano no Colégio Planck No Colégio Planck, que é uma instituição que estimula o alto desempenho, ocorre também uma acolhida individualizada e um olhar especial para a performance desse estudante, no sentido de estimulá-lo a atingir suas novas metas, porque essa é a hora de começar a pensar em uma carreira e planejar objetivos e sonhos. Nesse momento, os estudantes passam a entender ainda mais a importância de ser protagonista e ter habilidades socioemocionais que os destacarão no futuro, como a criatividade, colaboração, empatia e inteligência emocional, que são essenciais para o mercado de trabalho. Além disso, há também um estímulo à cultura da amizade e dos laços, por meio da convivência, que permite uma maior consciência sobre as diferenças dos outros estudantes e do que eles podem somar ao próprio processo pessoal. Para estimulá-los ao desenvolvimento dessas habilidades neste período, os estudantes contam com projetos especiais como a Academia Sherlock, que é uma metodologia ativa que trabalha o estudo de casos; e o Laboratório de Soluções, que os ensina a desenvolver soluções para demandas da sociedade em parceria com os professores. O Clube de Debates é mais um projeto especial para fortalecer as habilidades do estudante do 9º ano, para que eles possam trabalhar a oratória e retórica. Além disso, há todo um acompanhamento de forma individualizada das expectativas, potencialidades e fragilidades desses estudantes por meio da Orientação Educacional, que incentiva um crescimento deles como um todo, tanto no aspecto emocional como no acadêmico. As fronteiras se ampliam no 9º ano Nesta fase, os estudantes começam a perceber que as decisões e escolhas para a sua vida são muito mais suas do que da família, é uma fase de começar a sair do casulo. É claro que a parceria com seus pais e responsáveis é fundamental, mas são eles que vão começar a refletir sobre as próprias carreiras no futuro. Essa nova fase de reflexão vai colocá-lo diante de algumas decisões sobre onde estudar, morar fora da casa dos pais no período da universidade ou até mudar de país no período da graduação universitária. No Planck, no 9º ano, os estudantes são apresentados ao PGG (Planck Global Guidance), que é um programa exclusivo de consultoria do Colégio que vai prepará-los durante os 3 anos do Ensino Médio para processos seletivos em universidades do mundo inteiro. Conhecer esse programa no 9º ano já começa a despertar no estudante a possibilidade de realizar esse sonho de estudar fora do país. O programa vai preparar os estudantes para exames de proficiência, aplicações em universidades, agendamento de visitas e outras atividades que vão permitir ao estudante conhecer o perfil de cada instituição, para promover uma escolha consciente e bem embasada. Todo esse processo incentiva a autonomia e autoconhecimento dos estudantes, com apoio também de uma college counselor, que vai orientá-los nesta busca. Preparo do estudante no Núcleo Planck Internacional Visando já oportunizar experiências mais globais aos estudantes, o Núcleo Planck Internacional proporciona aos estudantes um melhor preparo em idiomas já no Ensino Fundamental Anos Finais, com aulas semanais dentro da grade curricular e aulas de espanhol, francês e alemão no contraturno das aulas. Já no Ensino Médio, para as aulas de inglês do PEC (Planck English Course), os estudantes aprendem também a cultura e desenvolvem habilidade de compreensão escrita no idioma e de discussões mais aprofundadas de obras literárias. Esse preparo no idioma também é um passo a mais para quem quer participar do PGG. Conclusão O Colégio Planck oferece um projeto integral de desenvolvimento emocional e alta performance acadêmica que permite que os estudantes do 9º ano aprofundem áreas de seu conhecimento e também potencializem outros tipos de conhecimentos que já fazem parte de sua bagagem pessoal. Os estudantes do 9º ano serão levados à autogestão, compartilhamento e responsabilidade, além de estabelecer uma parceria íntima com seus educadores e demais membros da equipe pedagógica do time Planck.

As fronteiras se ampliam no 9º ano

Nesta fase, os estudantes começam a perceber que as decisões e escolhas para a sua vida são muito mais suas do que da família, é uma fase de começar a sair do casulo. É claro que a parceria com seus pais e responsáveis é fundamental, mas são eles que vão começar a refletir sobre as  próprias carreiras no futuro.

Essa nova fase de reflexão vai colocá-lo diante de algumas decisões sobre onde estudar,  morar fora da casa dos pais no período da universidade ou até mudar de país no período da graduação universitária.

No Planck, no 9º ano, os estudantes são apresentados ao PGG (Planck Global Guidance), que é um programa exclusivo de consultoria do Colégio que vai prepará-los durante os 3 anos do Ensino Médio para processos seletivos em universidades do mundo inteiro.

O Estudante Do 9º Ano É Preparado Para Um Passo De Mais Maturidade (1)-min
Estudantes – Xadrez – Colégio Planck

Conhecer esse programa no 9º ano do Ensino Fundamental Anos Finais já começa a despertar no estudante a possibilidade de realizar esse sonho de estudar fora do país.

O programa vai preparar os estudantes para exames de proficiência, aplicações em universidades, agendamento de visitas e outras atividades que vão permitir ao estudante conhecer o perfil de cada instituição, para promover uma escolha consciente e bem embasada.

Todo esse processo incentiva a autonomia e autoconhecimento dos estudantes, com apoio também de uma college counselor, que vai orientá-los nesta busca.

ebook Planck Global Guidance site

Preparo do estudante no Núcleo Planck Internacional

Visando já oportunizar experiências mais globais aos estudantes, o Núcleo Planck Internacional proporciona aos estudantes um melhor preparo em idiomas já no Ensino Fundamental Anos Finais, com aulas semanais dentro da grade curricular e aulas de espanhol, francês e alemão no contraturno das aulas.

Já no Ensino Médio, para as aulas de inglês do PEC (Planck English Course), os estudantes aprendem também a cultura e desenvolvem habilidade de compreensão escrita no idioma e de discussões mais aprofundadas de obras literárias.

Esse preparo no idioma também é um passo a mais para quem quer participar do PGG. 

Conclusão

O Colégio Planck oferece um projeto integral de desenvolvimento emocional e alta performance acadêmica que permite que os estudantes do 9º ano aprofundem áreas de seu conhecimento e também potencializem outros tipos de conhecimentos que já fazem parte de sua bagagem pessoal. 

Os estudantes do 9º ano serão levados à autogestão, compartilhamento e responsabilidade, além de estabelecer uma parceria íntima com seus educadores e demais membros da equipe pedagógica do time Planck. 

Leia mais:

➡️ Aprendizagem baseada em projetos para formar estudantes protagonistas

➡️ As etapas do Ensino Fundamental

Clique e agende uma visita. Matrículas Planck 2024.

Compartilhe:

Compartilhe:

Leia também:

O Ensino Fundamental 2 é um período de aprendizagem importante para as crianças e pré-adolescentes, pois marca sua passagem para um mundo com mais responsabilidades e deveres, que caminha junto a mudanças físicas e neurológicas. No ambiente escolar, os estudantes deparam-se com novos desafios, mas também com novas oportunidades e paixões. É neste momento que suas vozes despertam e começam a descobrir-se como pessoas.

Ensino fundamental 2: o que esperar?

O Ensino Fundamental 2 é um período de aprendizagem importante para as crianças e pré-adolescentes, pois marca sua passagem para um mundo com mais responsabilidades

Translate »